“Estas medidas são as adequadas e a meio da próxima semana podemos ter indicações sobre o seu impacto e sobre a necessidade de serem alteradas”, disse à agência Lusa o professor de microbiologia da Universidade Autónoma de Madrid, José António López Guerrero.

A Espanha é um dos países mais atingidos pelo novo coronavírus, responsável pela pandemia da covid-19, que já infetou mais de 250.000 pessoas em todo o mundo, das quais mais de 10.400 morreram.

COVID-19: Todos os países que declararam estado de emergência nas últimas semanas
COVID-19: Todos os países que declararam estado de emergência nas últimas semanas
Ver artigo

Para López Guerrero, Portugal vai poder aprender com a experiência de Espanha, que tomou medidas mais cedo, mas num estágio mais avançado da propagação do vírus.

Este catedrático, que também é investigador, considera que “Espanha será o espelho onde Portugal se vai poder olhar”.

Com um território e uma população mais de quatro vezes maior do que Portugal, a Espanha teve até agora quase 20.000 infetados com o novo coronavírus, dos quais mais de 1.000 pessoas morreram.

A catedrática de Epidemiologia da Universidade Europeia de Valência Patricia Guillem, é mais crítica sobre as decisões tomadas até agora pelo Governo liderado pelo socialista Pedro Sánchez, defendendo que se deviam ter tomado medidas “mais drásticas e mais cedo”.

O executivo espanhol decidiu no último sábado instaurar o “estado de emergência” e aprovou medidas que incluem a proibição de todos os cidadãos de andarem na rua, a não ser que seja para irem trabalhar, comprar comida ou à farmácia.

“Em Espanha há demasiadas pessoas a trabalhar fora de casa o que provoca que haja maiores probabilidades de contágio com outras pessoas”, sustenta a catedrática, que preferia uma “paragem” quase total da atividade económica e o confinamento das grandes cidades e comunidades autónomas “para impedir de forma efetiva novos contágios”.

Para Patricia Guillem “é preferível parar tudo durante 20 dias do que andar com meias medidas e ter mais quatro meses de luta contra a pandemia”.

A catedrática também alertou para outros os problemas que vão aparecer com o facto de as pessoas ficarem em casa.

“Ao ficar em casa, a saúde mental das pessoas vai-se deteriorar e vão aparecer ou agravar-se outras doenças, como diabetes, hipertensão e colesterol”, afirmou.

A Lusa também falou com o microbiologista da Clínica Universidade de Navarra Gabriel Reina, que considerou as medidas tomadas pelo executivo como “necessárias”, devendo ter “um impacto 14 dias depois de terem sido tomadas”.

“Assiste-se a um aumento de casos, mas esperamos que no prazo de 14 a 21 dias a curva [de casos] comece a baixar”, disse o catedrático, que considerou “acertado” as comunidades autónomas terem tomado inicialmente medidas consoante a sua situação, para em seguida o Governo central ter tomado decisões a pensar na totalidade do país.

Quanto à situação de Portugal, que não conhece muito bem, considerou positivo o país estar a beneficiar da experiência de outros e tomar decisões quando ainda há poucos casos: “Ao tomar medidas precoces vai impedir o aumento exponencial dos casos e evitar a saturação dos hospitais”, afirmou.

“Penso que as medidas que estão a ser tomadas vão funcionar, mas mesmo quando as coisas melhorarem, é fundamental continuarmos a ser vigilantes”, concluiu Gabriel Reina.

O novo coronavírus, responsável pela pandemia da covid-19, infetou mais de 250 mil pessoas em todo o mundo, das quais mais de 10.400 morreram.

Estado de Emergência: as principais medidas do governo para travar o COVID-19
Estado de Emergência: as principais medidas do governo para travar o COVID-19
Ver artigo

Das pessoas infetadas, mais de 89.000 recuperaram da doença.

Depois de surgir na China, em dezembro, o surto espalhou-se já por 182 países e territórios, o que levou a Organização Mundial da Saúde (OMS) a declarar uma situação de pandemia.

O continente europeu é aquele onde está a surgir atualmente o maior número de casos, com a Itália a tornar-se hoje o país do mundo com maior número de vítimas mortais, com 3.405 mortos em 41.035 casos.

A Espanha regista 1.002 mortes (19.980 casos) e a França 264 mortes (9.134 casos).

A China, por sua vez, informou não ter registado novas infeções locais pelo segundo dia consecutivo, embora o número de casos importados tenha continuado a aumentar, com 39 infeções oriundas do exterior.

No total, desde o início do surto, em dezembro passado, as autoridades da China continental, que exclui Macau e Hong Kong, contabilizaram 80.967 infeções diagnosticadas, incluindo 71.150 casos que já recuperaram, enquanto o total de mortos se fixou nos 3.248.

Destaque também para o Irão, com 1.433 mortes em 19.644 casos.

Vários países adotaram medidas excecionais, incluindo o regime de quarentena e o encerramento de fronteiras.

Acompanhe ao minuto os efeitos do COVID-19 no país e no mundo

Os vírus e os coronavírus: quais as diferenças?

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Lifestyle diariamente no seu email.

Notificações

Os temas mais inspiradores e atuais estão nas notificações do SAPO Lifestyle.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.