Na conferência de imprensa de acompanhamento da pandemia da covid-19, Marta Temido indicou que houve “1.090 óbitos em pessoas cujo domicílio era numa estrutura residencial para idosos”, o que equivale a 33 por cento do total de mortes.

Questionada sobre o excesso de mortalidade não-covid do último mês divulgado hoje pelo Instituto Nacional de Estatística, a resposta de Marta Temido foi que a doença “obrigou os sistemas de saúde a concentrarem-se na resposta à pandemia” e que isso tem “efeitos naquilo que é a resposta a outras patologias.

A conclusão da ministra é que, com menos de metade do excesso de mortalidade do último mês face à média dos últimos cinco anos a ser atribuível à covid-19, “o Serviço Nacional de Saúde só poderá concentrar-se no que é a resposta às outras patologias a tempo inteiro quando se resolver o problema da resposta à pandemia”.

De acordo com dados preliminares revelados hoje pelo Instituto Nacional de Estatística, "46,5% do acréscimo de óbitos entre 05 de outubro e 01 de novembro relativamente à média dos últimos cinco anos deveu-se a óbitos por covid-19": das 1.132 mortes acima da média que se verificaram nesse período, 526 foram atribuídas a covid-19.

A doença provocada pelo novo coronavírus provocou menos de um terço (29,3%) das 8.686 mortes a mais face à média dos últimos cinco anos registadas entre 02 de março e 01 de novembro.

“O estudo efetivo destes números carece de tempo. Não dispomos ainda de resultados preliminares, mas no início do ano que vem haverá, esperamos, informações sobre este tema”, acrescentou a ministra.

Um bocadinho de gossip por dia, nem sabe o bem que lhe fazia.

Subscreva a newsletter do SAPO Lifestyle.

Os temas mais inspiradores e atuais!

Ative as notificações do SAPO Lifestyle.

Não perca as últimas tendências!

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #SAPOlifestyle nas suas publicações.