Numa mensagem na rede social Twitter, os investigadores e autores da vacina adiantaram que o Fundo Soberano da Rússia (RDIF), que financiou o desenvolvimento do fármaco, deram início às negociações com Berlim para “um contrato de aquisição antecipado” da Sputnik V.

A agência noticiosa France-Presse (AFP) observa que as negociações de Berlim com Moscovo estão a decorrer sem esperar “luz verde” da União Europeia (UE) e apesar das reservas que a vacina russa continua a suscitar na Europa.

Horas antes das declarações dos investigadores russos, o ministro da Saúde alemão, Jens Spahn, anunciou a intenção de dialogar com as autoridades russas sobre o assunto.

Spahn justificou a decisão de a Alemanha avançar sozinha devido à recusa da Comissão Europeia em negociar em nome dos 27 a compra da Sputnik V, ao contrário do que fez com outras vacinas contra a doença covid-19.

“Expliquei, em nome da Alemanha, ao Conselho de Ministros da Saúde da UE que discutiríamos bilateralmente com a Rússia, antes de mais nada, para saber quando e que quantidades poderiam ser entregues”, indicou Spahn à rádio pública regional WDR.

A iniciativa foi já criticada pelo ministro dos Negócios Estrangeiros ucraniano, Dmytro Kuleba.

“Quando se trata da Sputnik V, todos os países devem estar cientes do duplo preço a pagar: o preço financeiro e o preço político”, alertou Kuleba em declarações ao diário alemão Bild, a serem publicadas na edição de sexta-feira.

“[Moscovo] não procura, infelizmente, nenhum objetivo humanitário, mas usa-a como uma ferramenta para estender sua influência”, acrescentou.,

Recentemente, também o ministro dos Negócios Estrangeiros francês, Jean-Yves Le Drian, criticou a Rússia por fazer da vacina uma “ferramenta de propaganda” no mundo.

Por seu lado, o comissário europeu para o Mercado Interno, Thierry Breton, conhecido como o “Senhor Vacina” foi muito reservado sobre a utilidade para a UE, do ponto de vista industrial, recorrer a vacinas chinesas ou russas, que não seriam produzidas e entregues com a rapidez necessária.

“Será que eles nos vão ajudar a atingir a nossa meta de imunização da [população] até ao verão de 2021? Receio que a resposta seja não”, afirmou Breton.

Segundo as autoridades alemãs, qualquer entrega da Sputnik V, porém, continua sujeita à “luz verde” da Agência Europeia de Medicamentos (EMA).

Por outro lado, acrescentou Spahn, as entregas russas só devem acontecer nos próximos dois a cinco meses.

Segundo a AFP, por querer ser capaz de produzir vacinas suficientes priorizando a população russa, Moscovo apenas exportou pequenas quantidades da vacina para o exterior.

Desde a primeira vacinação, nas vésperas do Natal de 2020, apenas três vacinas são atualmente administradas na Alemanha: as da Pfizer/BioNTech, AstraZeneca, sob condições, e a Moderna.

Uma quarta, da Johnson & Johnson, deverá começar a ser distribuída na UE nas próximas semanas.

Na Alemanha, a pressão pela vacina russa está a aumentar. A Baviera, maior região do país, anunciou quarta-feira que negociou um “contrato preliminar” para receber 2,5 milhões de doses da vacina russa, sujeitas, porém, à autorização do regulador europeu.

Espera-se que algumas doses sejam produzidas em Illertissen, um município da Baviera, pela R-Pharm Germany, uma subsidiária do grupo farmacêutico russo R-Pharm.

Mecklenburg-Vorpommern, um Estado escassamente povoado no nordeste do país, fez o mesmo, ao pré-encomendar um milhão de doses da Rússia”.

“Atualmente, ainda estamos numa situação de grande dependência de poucos fabricantes de vacinas”, sublinhou o ministro regional da Saúde de Mecklenburg-Vorpommern, Harry Glawe, citado pela agência noticiosa alemã DPA.

A EMA não estabeleceu um prazo para uma decisão sobre a Sputnik V, enquanto, para os outros laboratórios que até agora submeteram a vacina contra a covid-19 para aprovação, examinou os dados fornecidos num prazo de dois a quatro meses.

A Alemanha registou 306 vítimas mortais por covid-19 e 20.407 novos contágios nas últimas 24 horas, de acordo com os dados divulgados pelo Instituto Robert Koch (RKI). Desde o início da pandemia morreram no país 77.707 pessoas e somam-se, no total, 2.930.852 casos.

A pandemia de covid-19 provocou, pelo menos, 2.890.054 mortos no mundo, resultantes de mais de 133 milhões de casos de infeção, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

Um bocadinho de gossip por dia, nem sabe o bem que lhe fazia.

Subscreva a newsletter do SAPO Lifestyle.

Os temas mais inspiradores e atuais!

Ative as notificações do SAPO Lifestyle.

Não perca as últimas tendências!

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #SAPOlifestyle nas suas publicações.