“Os profissionais de saúde estão na linha da frente e este número de doses que recebemos é para podermos vacinar a todos eles que estão a trabalhar neste momento a nível da cidade de Maputo”, disse Sheila Santana, secretária de Estado na cidade de Maputo, durante a receção das vacinas no Depósito Municipal de Medicamentos, nos arredores da capital.

Segundo a governante, o processo de vacinação na capital vai contar com 52 técnicos, distribuídos em 18 centros e unidades hospitalares dos sete distritos municipais da cidade de Maputo.

“Iniciou hoje a formação dos técnicos a nível da cidade. Nós já estamos organizados e aguardamos o plano e orientações que vamos receber do Ministério da Saúde para iniciar o processo de vacinação”, declarou Sheila Santana.

De acordo com a secretária de Estado, as vacinas vão ser distribuídas pelas unidades de saúde da capital a partir de quarta-feira.

A cidade de Maputo, que vive em recolher obrigatório noturno desde fevereiro, concentra o maior número acumulado de casos de infeção, 25.182, do total acumulado de 59.350 registados no país, dos quais 69% estão recuperados.

Moçambique tem ainda um total de 641 óbitos por covid-19.

Cerca de 60% do primeiro lote de 200 mil vacinas que Moçambique recebeu da China são destinadas aos profissionais de saúde moçambicanos que estão na linha da frente no combate à covid-19, segundo informações do Ministério da Saúde.

Dados oficiais indicam que desde março, quando foi registado o primeiro caso em Moçambique, pelo menos 2.805 profissionais de saúde foram infetados e, deste grupo, 22 morreram.

No plano de vacinação, que deverá ser lançado oficialmente nos próximos dias, o Governo moçambicano pretende também dar prioridade a outros grupos expostos, com destaque para a polícia.

Moçambique recebeu da China um total de 200 mil doses da vacina Verocell, incluindo seringas, fabricada pela farmacêutica chinesa Sinopharm.

Trata-se do primeiro lote de vacinas contra a covid-19 no país, que também aguarda pela sua parte no âmbito do mecanismo internacional Covax, da Organização Mundial de Saúde (OMS).

Em janeiro, o país registou mais casos e mortes que em todo o ano de 2020, elevando para mais de 300 o número de internamentos, pressionando o sistema de saúde.

A pandemia de covid-19 provocou, pelo menos, 2.531.448 mortos no mundo, resultantes de mais de 114 milhões de casos de infeção, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro de 2019, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

Um bocadinho de gossip por dia, nem sabe o bem que lhe fazia.

Subscreva a newsletter do SAPO Lifestyle.

Os temas mais inspiradores e atuais!

Ative as notificações do SAPO Lifestyle.

Não perca as últimas tendências!

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #SAPOlifestyle nas suas publicações.