A técnica minimamente invasiva para implante de uma válvula aórtica foi introduzida em Portugal há mais de dez anos e constitui, para alguns doentes, a única opção.

A estenose aórtica é uma doença que afeta cerca de 32 mil portugueses, sobretudo acima dos 70 anos, limitando as suas capacidades e qualidade de vida. 

10 alimentos que lhe devolvem anos de vida
10 alimentos que lhe devolvem anos de vida
Ver artigo

Se não for detetada a tempo, esta doença pode ter um desfecho fatal, uma vez que a válvula aórtica vai tornar-se cada vez mais estreita, impedido o fluxo sanguíneo para fora do coração, explica a Associação Portuguesa de Intervenção Cardiovascular. Os sintomas são cansaço, dor no peito e desmaios.

"Finalmente, foram aqui [CHUC] reunidas as condições para tratar os doentes com estenose aórtica na região Centro", refere Marco Costa, cardiologista que liderou a equipa multidisciplinar que operou o doente de 92 anos.

O médico, que é também coordenador do laboratório de hemodinâmica do CHUC, acrescenta que espera, daqui para a frente, "dar resposta aos vários doentes que aguardam este tratamento e que, doravante, terão um acesso em proximidade a esta equipa que realizou mais um procedimento altamente diferenciado por cateterismo, o que possibilita uma rápida recuperação dos doentes".

Rui Campante Teles, coordenador do Registo Nacional de Cardiologia de Intervenção (RNCI) da APIC (Associação Portuguesa de Intervenção Cardiovascular) explica que o implante da válvula aórtica percutânea é um procedimento minimamente invasivo, por cateter.

"Em diversos doentes tem vantagens em relação à cirurgia de peito aberto, constituindo nalguns a única opção uma vez que diminui os riscos relacionados com o tratamento. Esta técnica é considerada o grande avanço da cardiologia da última década", refere Campante Teles.

Segundo os dados do RNCI, em 2019 foram realizados 746 VAP, o correspondente a uma média de 72 procedimentos por milhão de habitante, ainda inferior à maioria dos países europeus. 

15 coisas que nos tiram anos de vida
15 coisas que nos tiram anos de vida
Ver artigo

Em Portugal, estes procedimentos minimamente invasivos da válvula aórtica estão disponíveis nos sete centros cardiológicos médico-cirúrgicos do Serviço Nacional de Saúde: Centro Hospitalar Vila Nova de Gaia/Espinho, Hospital de São João, CHUC, Hospital de Santa Marta, Hospital de Santa Cruz, Hospital de Santa Maria e Hospital do Funchal.

Os procedimentos estão ainda disponíveis em vários centros privados, de acordo com uma nota da APIC divulgada hoje.

A associação está a promover a campanha Corações de Amanhã, para aumentar a "consciencialização" dos cidadãos para a estenose aórtica.

"Acreditamos que, com esta iniciativa, que conta com o Alto Patrocínio do Presidente da República, temos a oportunidade de unir esforços entre todos, que possam contribuir para melhorar a qualidade de vida das pessoas acima dos 70 anos", afirma João Brum Silveira, presidente da APIC.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Lifestyle diariamente no seu email.

Notificações

Os temas mais inspiradores e atuais estão nas notificações do SAPO Lifestyle.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.