"Esse aumento da despesa deve-se sobretudo a medicamentos da área da oncologia, mas não só", considerou Marta Temido, lembrando igualmente a despesa em medicamentos para a artrite reumatoide e da área da hemato-oncologia.

"Deve-se também a novas terapêuticas, a novos doentes e é um sinal expectável dentro do que é a evolução da despesa de saúde em termos das grandes tendências da evolução da despesa de saúde em geral nos sistemas de saúde dos nossos dias", afirmou.

Estes são os sintomas de cancro mais ignorados pelos portugueses
Estes são os sintomas de cancro mais ignorados pelos portugueses
Ver artigo

A ministra, que falava no final de uma cerimónia sobre os 40 anos do SNS no Palácio da Ajuda, em Lisboa, disse ainda que "a evolução tecnológica é um dos principais responsáveis pelo crescimento das despesas em saúde" e que os números das despesas com medicamentos revelados num relatório do Infarmed "refletem exatamente essa tendência".

"O Infarmed mostra também que outras áreas, como os medicamentos para doenças como a diabetes, também têm algum peso neste aumento da despesa", lembrou a governante.

Numa nota enviada às redações a propósito do relatório da Estatística do Medicamento e Produtos de Saúde 2018, o Infarmed corrobora esta posição, lembrando que o aumento decorreu essencialmente do crescimento da despesa com medicamentos oncológicos (58 milhões de euros - mais de 50% do valor total), lembrando que esta "tem sido a área onde se tem observado um crescendo na inovação terapêutica".

"Este aumento no acesso à inovação traduz-se em melhores resultados em saúde, com mais doentes em tratamento, com o alargamento das opções terapêuticas disponíveis e também uma utilização mais prolongada destes medicamentos", afirma o Infarmed, sublinhando que, "para além da oncologia, a área das doenças neurodegenerativas, como a esclerose múltipla, e a área hematológica também tiveram uma contribuição para o aumento da despesa".

10 alimentos que aumentam o risco de cancro
10 alimentos que aumentam o risco de cancro
Ver artigo

A Autoridade do Medicamento lembra ainda que o acesso a novos medicamentos no Serviço Nacional de Saúde "aumentou de modo significativo", com mais de 150 novos medicamentos introduzidos entre 2016 e 2018 e destaca a "introdução no arsenal terapêutico português de 65 novos medicamentos já em 2019".

"Na área da dispensa de medicamentos em ambulatório, o aumento esteve em linha com o crescimento da utilização dos medicamentos em geral, bem como dos medicamentos inovadores, decorrendo essencialmente de terapêuticas para a diabetes (25M€), doenças cardiovasculares e respiratórias", explica.

O Infarmed destaca ainda o "importante contributo para atenuar o crescimento da despesa com medicamentos", com a introdução de genéricos na área do VIH/SIDA, que permitiu uma poupança de 16 milhões de euros, e medicamentos biossimilares para o tratamento de doenças autoimunes.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Lifestyle diariamente no seu email.

Notificações

Os temas mais inspiradores e atuais estão nas notificações do SAPO Lifestyle.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.