Reagindo a declarações do ministro da Educação, que disse na quarta-feira considerar que o ano letivo 2018/19 vai começar com tranquilidade, a Federação Nacional de Educação (FNE) referiu hoje que, aos antigos problemas que “se arrastam há anos”, se juntam novos dramas criados pelo Ministério.

“Desde logo, deve ser denunciada a incapacidade deste Ministério da Educação para resolver o problema dramático das colocações de professores feitas em cima da abertura do ano letivo”, sublinha a FNE, lembrando que isso faz com que “milhares de professores tenham escassas horas para organizarem toda a sua vida pessoal e familiar”.

Saiba onde encontrar manuais escolares gratuitos
Saiba onde encontrar manuais escolares gratuitos
Ver artigo

A federação considera “uma falta de respeito” que o cenário se repita “ano após ano”.

Além disso, refere a federação sindical, o novo ano vai começar “sem que as escolas estejam dotadas dos funcionários de que precisam” como assistentes operacionais, assistentes técnicos ou psicólogos.

A isto ainda se junta o atraso na resolução das situações dos trabalhadores precários, acrescenta, sublinhando que “o que, de certeza, vai continuar a marcar as escolas vai ser a precariedade, a insegurança, a intranquilidade”.

O aumento da idade média dos professores, por falta de reconhecimento do desgaste físico, psíquico e psicológico da profissão e a ausência de definição das condições de operacionalização dos currículos do ensino básico e secundário são outras das críticas apontadas.

O ministro da Educação, Tiago Brandão Rodrigues, disse na quarta-feira à rádio TSF que “tudo está preparado para que o ano letivo comece com normalidade de tranquilidade”, recordando alturas em que os anos letivos não começavam em setembro.

"Pudemos fazer algo que não acontecia até 2016. Em 2016, 2017 - e acreditamos que também em 2018 - começámos com normalidade e tranquilidade os anos letivos e em setembro", disse Tiago Brandão Rodrigues à margem do Summer Cemp, que decorre esta semana em Marvão.

"Nós pudemos, pelo menos nestes últimos dois anos, começar exatamente onde queríamos e agora estão criadas todas as condições para que o ano escolar possa começar a tempo e possamos fazer todo o trabalho de educação para a cidadania e inclusiva", sublinhou.

Um bocadinho de gossip por dia, nem sabe o bem que lhe fazia.

Subscreva a newsletter do SAPO Lifestyle.

Os temas mais inspiradores e atuais!

Ative as notificações do SAPO Lifestyle.

Não perca as últimas tendências!

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #SAPOlifestyle nas suas publicações.