Uma coisa é certa: não há vagas de especialidade para todos os médicos. Este ano abriram 1665 para formação em hospitais e centros de saúde, deixando mais de 900 candidatos de fora. A escolha da especialidade depende todos os anos da nota do exame de acesso e das vagas disponíveis.

A partir de 2019, a prova de seriação será outra e irá substituir um exame - o "Harrison" - que há décadas decide o destino dos futuros especialistas: ou uma especialidade médica, ou uma cirúrgica ou uma médico-cirúrgica, entre as dezenas de opções disponíveis.

As frases mais ridículas ouvidas pelos médicos
As frases mais ridículas ouvidas pelos médicos
Ver artigo

Hoje, às 15h00

O "Harrison", o mais temido dos exames, realiza-se esta quinta-feira às 15h00. Cerca de 2.800 alunos vão responder em 150 minutos às 100 perguntas da prova.

O livro "Harrison's Principles of Internal Medicine", de quase mil páginas, é a única literatura específica para o exame e, por isso mesmo, acabou por lhe dar o nome não oficial.

O manual é da autoria de Tinsley Harrison, um médico cardiologista norte-americano que morreu em 1978. A nota neste exame define o acesso à especialidade dos médicos portugueses há 40 anos.

Uma prova nova a partir de 2019

A prova que irá substituir "Harrison" já em 2019 vai ter um teste-piloto no dia 23 de novembro, às 14h00, em Lisboa, Porto, Coimbra, Braga e Covilhã.

Será dividida em duas partes: uma com matéria de medicina interna, que depois passará a valer 50% da nota, e outra com matérias de cirurgia, ginecologia-obstetrícia, pediatria e psiquiatria. Ao todo terá 150 perguntas.

A prova será elaborada pelo Gabinete da Prova Nacional de Acesso (GPNA), com a ajuda da organização americana National Border Medical Examiners (NBME), onde os portugueses foram fazer formação.

A prioridade para fazer a prova-teste vai para quem está agora a fazer o 6.º ano de Medicina e que no próximo ano terá de fazer obrigatoriamente o novo exame. Os alunos que neste ano fazem o Harrison ou os que frequentam os 5.º e 4.º anos, e que vêm de faculdades estrangeiras, também poderiam ter-se inscrito para testar a nova prova. 

17 comidas saudáveis que talvez nunca tenha provado
17 comidas saudáveis que talvez nunca tenha provado
Ver artigo

Raciocínio introduzido na prova

"Vai deixar de ser uma prova de cruzes apenas para a memorização, mas vai ter de incluir uma área de raciocínio em todas as áreas", comenta Miguel Guimarães, Bastonário da Ordem dos Médicos.

"A memória é uma peça central de qualquer conhecimento, mas em profissões como a médica, a capacidade de raciocínio clínico é fundamental", explicou.

O novo exame aproxima-se dos modelos internacionais, como o norte-americano, que inclui 300 perguntas.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Lifestyle diariamente no seu email.

Notificações

Os temas mais inspiradores e atuais estão nas notificações do SAPO Lifestyle.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.