No dia 14 de setembro de 1998, o Viagra viu a a sua comercialização aprovada em Portugal. Era o início de uma nova fase da vida sexual dos homens com disfunção erétil. Conheça alguns factos históricos sobre este fármacos.

Fruto do acaso

No início dos anos 1990, os cientistas do laboratório alemão Pfizer procuravam um novo medicamento contra a angina de peito, o citrato de sildenafila. No entanto, os testes clínicos revelaram a ineficiência da substância na redução da dor provocada por esta doença.

10 perguntas sobre disfunção erétil cuja resposta todos os homens deveriam saber
10 perguntas sobre disfunção erétil cuja resposta todos os homens deveriam saber
Ver artigo

Curiosamente, nos homens, o fármaco provocou um efeito inesperado: uma ereção. Foi nessa altura que a Pfizer reorientou o estudo para a impotência masculina ou disfunção erétil, um transtorno que afeta um terço dos homens com mais de 40 anos.

A FDA (agência americana para a alimentão e fármacos) aprovou o novo medicamento a 27 de março de 1998. O produto começou a ser vendido com o nome Viagra no início de abril nos Estados Unidos, o primeiro país a comercializar este fármaco. Só no dia 14 de setembro desse mesmo ano chegou ao mercado português.

Sucesso imediato

O êxito do comprimido azul foi imediato: nas duas primeiras semanas de comercialização foram registadas 150.000 receitas nos Estados Unidos.

O Viagra tornou-se um sucesso mesmo antes de ser autorizado noutros países. O mercado negro rapidamente fez escoar o produto para Israel, Polónia ou Arábia Saudita, com preços três a cinco vezes superiores ao cobrado nos Estados Unidos (na altura cerca de 10 dólares, pouco mais de 8 euros). Com o lançamento oficial na Europa, em setembro de 1998, a pílula azul contra a impotência tornou-se na locomotiva financeira da farmacêutica Pfizer.

O "comprimido azul" que revolucionou o mundo e alterou o vocabulário faz 20 anos
O "comprimido azul" que revolucionou o mundo e alterou o vocabulário faz 20 anos
Ver artigo

As vendas mundiais de Viagra dispararam mais de 30% em 1999 e em 2000, superando a barreira dos mil milhões de dólares, uma verdadeira surpresa para o grupo farmacêutico que tinha previsto uma faturação de 100 milhões de dólares por ano.

Contrabando generalizado

As campanhas publicitárias protagonizadas por um ex-candidato republicano à Casa Branca (Bob Dole, em 1999) e pelo rei do futebol Pelé (em 2002), entre outros famosos, deram notoriedade a um medicamento que segundo os cientistas começa a surtir efeito, em média, 27 minutos depois da sua ingestão.

E com o sucesso chegou também o contrabando: comprimidos falsos fabricados na Tailândia ou na Índia, só para mencionar dois exemplos, começaram a ser vendidos pela Internet poucas semanas depois do início da comercialização legal.

10 mitos comuns sobre sexo esclarecidos por uma médica
10 mitos comuns sobre sexo esclarecidos por uma médica
Ver artigo

Os falsificadores perceberam que o Viagra era uma mina de ouro e o fármaco passou a ser o mais contrabandeado de sempre. Um estudo promovido em 2011 pela Pfizer mostrou que 80% do Viagra comprado na internet era falsificado.

Uso indevido e controlo antidoping

O uso indevido ou "recreativo" de Viagra também ganhou força. Um estudo britânico detetou em 1999 um consumo pequeno, mas real, entre os jovens.

Em 2012, uma investigação com assinatura norte-americana mostrou que 8% dos jovens dos Estados Unidos tomavam Viagra e outros "facilitadores de ereção" (Cialis, Levitra, entre outros) apenas para garantir que tinham "rendimento sexual".

Ao mesmo tempo, cientistas começaram a estudar se o Viagra - os genéricos chegaram às farmácias da Europa em 2013 e dos Estados Unidos em 2017 - representa uma substância dopante para os atletas.

Após hesitar por algum tempo, a Agência Mundial Antidoping decidiu não incluir a substância na lista de produtos proibidos: o citrato de sildenafila tem um efeito dopante, mas apenas em altitudes elevadas.

Com agências