De pitéu de tradição conventual a estrela mundial, o nosso pastel de nata há mais de cinco séculos que viaja à boleia do receituário português, como bem nos recorda o gastrónomo Virgílio Gomes na crónica que dedica à especialidade doceira que junta natas, gemas de ovo, açúcar, farinha, açúcar e casca de limão.

Na Península de Setúbal, o pastel de nata tem, desde maio último, um novo reduto, na Confeitaria São Julião, casa palmelense com mão do doceiro Nuno Gil. O homem que nos últimos anos criou, entre outros, dezenas de pastéis, tartes e bombons com produtos da região - como a ginja, a aguardente e, inclusivamente, a tinta de choco - engendrou o pastel de nata em casamento com uma das bebidas espirituosas que dá fama ao território, o Moscatel de Setúbal.

Em génese, trata-se de um pastel de nata clássico, “para consumo no próprio dia. Não é congelado, não tem conservantes. Por sua vez, a massa folhada tem uma duração curta, não gosta de humidade e, rapidamente, perde o estaladiço”, como nos refere Nuno Gil. Um pastel que se trinca bem, de recheio cremoso, sem se apresentar líquido e massa folhada a estalar a cada dentada.

Acresce, contudo, no sabor deste pastel de nata palmelense o travo adocicado, embora não impositivo, do Moscatel de Setúbal. Um casamento entre as natas e a bebida espirituosa que, de acordo com Nuno Gil, mereceu registo prévio e “autorização da Comissão Vitivinícola Regional da Península de Setúbal. Julgo que para o aval positivo terá pesado o trabalho que tenho desenvolvido em prol dos produtos regionais”.

Como se faz a boa Fogaça de Palmela? Desvendamos-lhe os segredos com o doceiro Nuno Gil
Como se faz a boa Fogaça de Palmela? Desvendamos-lhe os segredos com o doceiro Nuno Gil
Ver artigo

Com a resposta favorável à produção, o doceiro a laborar desde 1992 e com formação na Escola de Hotelaria de Setúbal, encontrou no terreno o parceiro que precisava para a concretização do seu pastel de nata. “Deu-se um facto interessante”, conta-nos, acrescentando, “quando comecei a produzir o pastel de nata, a Adega Camolas mostrou interesse em associar-se a este projeto”.

A casa produtora de vinhos assente num negócio familiar aconchegou o seu moscatel ao pastel de nata de Nuno Gil.

“Acrescento o moscatel quando produzo a calda”, adianta o doceiro, referindo que na fórmula do seu novo doce reduziu a “quantidade de açúcar em benefício do moscatel que, por si, empresta doçura”.

Na região, o Pastel de Nata com Moscatel encontra-se à venda na Casa Mãe Rota dos Vinhos, Retiro Azul (Palmela), no Forte de São Filipe, na Casa da Baía, no Cais da Gávea e no Moinho de Maré da Mourisca (Setúbal).

Entre outras criações de doçaria, Nuno Gil conta com o Pastel de Ginja, Pastel Caramelo, Pastel de Noz, Pastel de Choco de Setúbal, Pastel de Moscatel de Setúbal, Tarte Santiago, Tarte do Anjo, Bombom de Aguardente e um outro de Moscatel de Setúbal.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Lifestyle diariamente no seu email.

Notificações

Os temas mais inspiradores e atuais estão nas notificações do SAPO Lifestyle.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.