A dívida já ia em 14 milhões de euros, segundo a Associação Nacional de Transportadores Rodoviários de Pesados de Passageiros (ANTROP).

Laurent Simons, a criança prodígio que está prestes a entrar na universidade aos 8 anos
Laurent Simons, a criança prodígio que está prestes a entrar na universidade aos 8 anos
Ver artigo

O avultado montante levou as empresas privadas de autocarros a fazerem um ultimato ao Governo há cerca de duas semanas: ou pagava ou não havia passes com desconto para os estudantes.

Em causa estavam os descontos que o Governo financia nos passes 4-18 (ensino básico e secundário) e sub23 (ensino superior).

Cabaço Martins, presidente da ANTROP, assinalou hoje à referedia rádio que o valor em atraso começou a ser saldado ontem. "Acabámos por fazer este ultimato para fazer sentir ao Governo que os operadores não podiam esperar mais", sublinha, lembrando que "no mês de dezembro, as empresas têm mais encargos com salários adicionais e subsídios de férias". "Achámos que não havia condições para continuar a suportar este atraso", conclui.

10 doenças que pode apanhar nos transportes públicos (se não lavar as mãos)
10 doenças que pode apanhar nos transportes públicos (se não lavar as mãos)
Ver artigo

A ameaça de paralisação na venda dos passes envolvia dezenas de empresas como a Rodoviária de Lisboa, a Vimeca, TST, Barraqueiro, Scotturb, EVA, Rodoviária do Alentejo, Mafrense, Resende e a Gondomarense.

O caso levou o ministro do Ambiente e da Transição Energética, João Pedro Matos Fernandes, a pronunciar-se sobre o caso no Parlamento e a anunciar que o tema seria discutido em Conselho de Ministros.

"Isto significa que ainda durante o mês de novembro vai ser possível pagar aos operadores a verba que está em falta", anunciou, na altura, o ministro.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Lifestyle diariamente no seu email.

Notificações

Os temas mais inspiradores e atuais estão nas notificações do SAPO Lifestyle.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.