Bebés de mães adolescentes representaram 24,2 em cada mil nascimentos ocorridos em 2014 contra 61,8 em 1991, indica um relatório do Centro de Controlo e Prevenção de Doenças dos Estados Unidos, publicado na quinta-feira.

Esta taxa "é a mais baixa já registada" nos Estados Unidos, acrescenta o documento, destacando que a diminuição mais substancial da taxa aconteceu nos últimos dez anos.

"Entre 2006 e 2014, a taxa de gravidez na adolescência diminuiu 41%", destaca o relatório, ressaltando que esta diminuição é no entanto menor entre as comunidades de origem latino-americana (51%) e negra (44%) quando comparada com a caucasiana (35%).

"Na maior parte dos casos, as gestações não são intencionais e as mães enfrentam uma situação socioeconómica de desvantagem", explica Jennifer Wu, ginecologista do hospital Lenox Hill de Nova Iorque.

Por outro lado, "as adolescentes não costumam ter um bom acesso a exames pré-natais e isto pode ter um enorme impacto nas suas gestações", acrescentou a médica.

Um bocadinho de gossip por dia, nem sabe o bem que lhe fazia.

Subscreva a newsletter do SAPO Lifestyle.

Os temas mais inspiradores e atuais!

Ative as notificações do SAPO Lifestyle.

Não perca as últimas tendências!

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #SAPOlifestyle nas suas publicações.