António Raminhos decidiu dedicar uma séria mensagem a todos aqueles que como ele sofrem de ansiedade e têm agora de lidar com as implicações que a pandemia do novo coronavírus está a ter na sua vida.

"Esta mensagem é para todos nós. Nós que sofremos de ansiedade, de transtornos que nos atormentam. Nós, os que sofremos com a morte... dos outros e da nossa. Que sofremos com o medo. O medo de morrer, de desaparecer, de não ser feliz, de não conseguir, de não suportar, de não lutar. Agradeçam", começa por escrever o humorista, que tal como a grande maioria dos portugueses está em casa de quarentena.

Apesar de admitir que este é um momento particularmente difícil para quem lida com ansiedade, este destaca que a melhor forma de o ultrapassar é ver o lado positivo. "Este é o momento de agradecer. É a luz de que muitos precisavam. Presos em casa, em recantos, está na hora de se libertarem. Porque foi preciso prendê-los em casa para libertar de tudo o resto. Olhar para a janela e não saber o dia de amanhã, do meu, dos nossos... não é um castigo. É finalmente poder perceber que está na hora de se libertarem", defende.

"Para quem sofre de ansiedade, este é o momento chave. O momento em que muitos dos nossos medos se tornam quase reais e em que os podemos ver partir. Respira e olha para o céu como se fosse a primeira vez. Olha para os teus como se fosse a primeira vez. Se estás sozinho olha para ti como se fosse a primeira vez", continua, lembrando aos seguidores que "há quem esteja a sofrer mais do que nós".

"Devemos-lhes isso. Devemos-lhes lutar por ser felizes. Não saber o dia de amanhã pode ser uma bênção. É poder agradecer o dia de hoje", completou.

Leia Também: "Estou a ficar maluco": Mais um dia de quarentena na vida de Raminhos

Um bocadinho de gossip por dia, nem sabe o bem que lhe fazia.

Subscreva a newsletter do SAPO Lifestyle.

Os temas mais inspiradores e atuais!

Ative as notificações do SAPO Lifestyle.

Não perca as últimas tendências!

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #SAPOlifestyle nas suas publicações.