Emmanuel Macron, presidente francês, já disse publicamente que gostaria de ver a Catedral de Notre-Dame de Paris, que ardeu no passado dia 15, reconstruída no prazo de cinco anos. Muitos especialistas em reconstrução e restauro não são tão otimistas. Ainda assim, há quem já tenha arregaçado as mangas e posto mãos à obra, como é o caso de uma equipa de arquitetos coordenada pelo russo Alexander Nerovnya.

Os profissionais deste gabinete de arquitetura russo desenvolveram dois projetos vanguardistas para a catedral francesa e divulgaram-nos nas redes sociais, submetendo-os a apreciação pública. As reações negativas obrigaram Alexander Nerovnya, apologista de um estilo minimalista, a justificar as opções que foram feitas pelos arquitetos. "As coisas mudam. Notre-Dame nunca mais será a mesma", assegura.

Notre-Dame de Paris. As imagens do incêndio que se tornaram virais
Notre-Dame de Paris. As imagens do incêndio que se tornaram virais
Ver artigo

"Nós sabemos que a catedral foi construída entre os séculos XII e XIV e também sabemos que foram feitas muitas alterações em termos de design nos séculos XIII, XIV, XVIII e XIX. As coisas mudam. Notre-Dame nunca mais será a mesma, independentemente de poder vir a ser bem reparada. Por que não usarmos todo o nosso conhecimento e todas as potencialidades arquiteturais [dos dias de hoje] para a tornar melhor?", questiona o arquiteto russo, autor de várias casas conceptuais, defensor de um estilo mais moderno e urbano.

"Quando as pessoas viessem ver a catedral [depois de implementado o projeto arquitetónico que defende], sentiriam uma poderosa ligação à história [do monumento] ao observar a parte antiga e a [parte] moderna lado a lado", acredita Alexander Nerovnya, que num dos dois projetos que a equipa que coordena apresentou defende aquela que considera ser "uma solução arquitetónica progressiva", como a descreve.

"A minha visão pode não ser a melhor mas, pelo menos, é diferente", admite o russo. "É uma nova visão para a arquitetura do terceiro milénio", refere ainda o arquiteto. Entretanto, nas redes sociais, apesar do fenómeno ter abrandado nos últimos dias, continuam a ser muitos os que partilham algumas das fotografias que tiraram em frente ao monumento, um dos mais visitados da Europa, como pode comprovar de seguida.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Lifestyle diariamente no seu email.

Notificações

Os temas mais inspiradores e atuais estão nas notificações do SAPO Lifestyle.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.