As árvores criam um forte impacto visual, ajudam a formar a estrutura permanente do jardim, proporcionam interesse, podem formar barreiras contra o vento, abrigar espécies mais sensíveis, marcar os limites de uma propriedade ou separar diferentes zonas. Existe uma enorme variedade tanto em aspeto e forma como em cor e textura da folhagem, das flores e da casca. Mas cada árvore tem a sua atração o que torna cada exemplar mais adequado para um ou outro lugar. Uma vez plantada, uma árvore pode permanecer no local durante décadas, de forma que é essencial proporcionar-lhe as melhores condições para o crescimento. A plantação é a etapa essencial.

Árvores cultivadas em vaso

As árvores que se compram cultivadas em vaso podem ser plantadas em qualquer época do ano, exceto durante períodos de calor tórrido ou geadas. Podem ser exemplares que demoram a estabelecer, como é o caso das magnólias ou dos castanheiros-das-índias e, em geral, de árvores exóticas e menos comuns. Ao adquirir uma árvore, assegure-se que as raízes não saem pelos furos do recipiente. Convém molhar a terra do recipiente para facilitar a extração.

É importante retirar suavemente o torrão de raízes, dando pequenos golpes no vaso com a ajuda de uma ferramenta ou das mãos. Para um melhor resultado, plante na terra à mesma profundidade em que se encontrava no vaso ou um pouco mais. Encha o buraco e pressione a terra por etapas para retirar as bolsas de ar. Em solos argilosos não aperte demasiado para não compactar o terreno.

A escolha da localização

Ao plantar uma árvore deve escolher o local mais adequado do jardim. Este deve proporcionar uma adequada insolação e protecção. Muitas árvores de folhas grandes crescem bem num local protegido e com sombra parcial mas num sítio com ventos fortes a folhagem pode ressentir-se. É preferível não as colocar demasiado perto de um muro porque nos primeiros anos podem sofrer com falta de luz. Além disso, as raízes fortes, ao crescerem, estragam os cimentos e as construções próximas.

Os cuidados a ter com o terreno

Se preparar o terreno antes de plantar, a terra pode assentar. O mais importante é que disponha de drenagem adequada. Deve manter a zona livre de vegetação expontânea para eliminar a competição pelos nutrientes e a água do solo. Depois, cave a terra e junte material orgânico, como turfa. A maioria das árvores requer uma profundidade de terra fértil de entre 50 a 100 centímetros para crescer.

O recurso a tutores

Os tutores são indispensáveis para segurar os ramos. O objetivo é que a árvore não fique torcida. Crave o tutor a 60 centímetros de profundidade e depois de dois ou três anos já o pode retirar. Em geral, basta um pau vertical e alto, colocado do lado do vento mas em locais muito ventosos é preferível instalar duas estacas, uma de cada lado do torrão.

Veja na página seguinte: Árvores plantadas com torrão

Árvores plantadas com torrão

Coníferas, perenes e palmeiras exigem cuidados especiais. As caducifólias mais sensíveis, muitas perenes e especialmente as coníferas e palmeiras são vendidas com torrão de raízes. Plantam-se quando estão inativas no outono e no inverno. O torrão deve ser firme e a cobertura deve estar intacta. Cave um buraco um terço mais largo que o torrão de raízes e em solos pesados o dobro. Coloque a árvore no buraco, retire a serapilheira que envolve o torrão mas deixe a rede que envolve o conjunto. Se vai colocar tutores, estes devem ficar apoiados contra o torrão sem o atravessar. Cubra com terra e regue bem.

Cuidados posteriores a ter depois da plantação

Proteção e rega abundante são dois dos cuidados posteriores a ter depois da plantação. Nos dois primeiros anos, é importante proporcionar às árvores uma boa quantidade de água, especialmente em caso de seca, para que as raízes se estabeleçam bem. Mantenha as zonas próximas livres de ervas. É eficaz fazer uma cobertura com material orgânico, que deve renovar periodicamente. Algumas árvores sensíveis requerem proteção suplementar contra as geadas e o vento.

O problema das raízes a descoberto

As árvores com as raízes a descoberto plantam-se quando estão em repouso, entre meados do outono e o início da primavera. As raízes devem estar estendidas simetricamente em todas as direções. Cave um buraco amplo, coloque a árvore à profundidade adequada, encha parcialmente e mova o ramo para cima e para baixo para acomodar as raízes. Junte terra por etapas, regue num alporque e cubra a zona.

As espécies ideais para cada jardim

As árvores grandes, como o castanheiro-da-índia, o choupo e o álamo branco, por exemplo, são adequadas para locais abertos e expostos. Em jardins médios pode optar, por exemplo, pelo freixo de flor ou arce, entre outras. Para jardins pequenos, arce japonês, magnólias, mimosas e azevinho. Não esqueça as coníferas como o Pinus pinea, o Cedrus deodara, o Cupressus sempervirens, a Thuja orientalis, o Pinus mugo, o Juniperus squamata, a Thuja occidentalis ou Chamaecyparis obtusa, entre outros, que pela fácil manutenção são muito apreciadas em pequenos jardins.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Lifestyle diariamente no seu email.

Notificações

Os temas mais inspiradores e atuais estão nas notificações do SAPO Lifestyle.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.