Ano Pessoal 6

Não te desvies dos obstáculos, não tentes fugir das dificuldades. Quando encontra um rochedo no seu caminho, o rio nunca volta para trás. Contorna-o deslizando, brinca com ele como o curandeiro que murmura e encanta a ferida, ou então salta no meio de um feixe de luz. Aprende a dançar com o obstáculo, se quiseres progredir.

Sabedoria Ameríndia

Este Ano Pessoal 6 pode ser resultado da redução dos Números 15 ou 24, conforme os casos.

Número 6 - Senhora das Águas, dos Mares e dos Oceanos. Nutridora da vida, cuidadora dos solos oceânicos, porto de abrigo de todos os animais marinhos. Relaciona-se com o amor que une os esposos e as famílias, cuidadora dos lares, tecedora de ninhos. Deusa da Beleza, da Música e das Artes, da Estética e da Harmonia no Lar.

Este é um ano completamente votado a ganhar consciência do significado real de amar. Amar implica cuidar, nutrir, proteger, abraçar, perdoar, respeitar, permanecer, deixar ir e aceitar o que vem.

Aplicar todos estes princípios na nossa vida, é o começo ou a continuação duma longa caminhada que tem como objectivo aprender a amar a nós mesmos. Á medida que progredimos gradualmente nesta via é desejável que pratiquemos e apliquemos estes princípios com os outros, alargando e espalhando este amor a mais e mais pessoas.

Assim, este ano pessoal deverá ter como foco principal, aprender a cuidar de nós mesmos, dos outros, sobretudo daqueles que de alguma forma dependem de nós de forma permanente ou momentânea e ainda dos nossos espaços pessoais, como a casa onde habitamos, o escritório ou espaço onde trabalhamos, o carro que conduzimos, os lugares da natureza que visitamos, e assim por diante.

Estas forças geram movimentos ondulantes, onde as mudanças depressa se fazem sentir, pois vai ser necessário ajustar o modo de viver a novas experiências, novos desafios dentro deste tema tão vasto e tão complexo.

Tudo isto exigirá que cada um transforme a sua resistência à mudança em campos de versatilidade, plasticidade, ajustamento e adequação a cada nova situação. Muitas emoções irromperão sem qualquer controlo e nesse momento espera-se que cada um seja capaz de avaliar a sua própria condição e busque ajuda em si mesmo ou nos outros para se reequilibrar dentro desta dinâmica.

É importante manter um estado de espírito harmonioso e uma mente aberta. Ser criativo nos confrontos mais duros ou nas situações mais dolorosas, ajuda a ultrapassar muitos problemas e obstáculos, que se não forem imediatamente observados tenderão a escalar para níveis mais complicados dando origem a confusões e mal entendidos.

Um coração aberto, uma mente clara e uma atitude que demonstre uma real vontade de unir tudo e todos através do diálogo construtivo, onde todos saibam escutar, é a fórmula mais simples, mas talvez a mais eficaz para evitar conflitos desnecessários.

O maior obstáculo num ano 6 é quando as pessoas que vivem esta vibração se deixam enredar pelos ciúmes e por um sentimento de posse em relação aos outros, querendo controlar-lhes a vida, os passos, as decisões, etc. É tempo de nos libertarmos de tudo o que não nos deixa progredir. Aquilo que mais nos atrapalha e intimida é precisamente onde se encontra a solução, o remédio para o nosso medo, inquietação, dúvida ou hesitação.

Perante estes momentos desafiantes é bom olhar para dentro de nós mesmos, analisando a frio as situações (já que o 6 rapidamente se desequilibra emocionalmente, pelo seu excesso de sensibilidade, por se ofender e se magoar facilmente), antes de tomar qualquer decisão, da qual se possa vir a arrepender mais tarde.

Ao longo deste ano é fácil perder o foco, pois um dos grandes desafios deste período é precisamente a tendência para se dispersar com relativa facilidade, deixando escapar muitas oportunidades interessantes, tanto a nível pessoal como profissional.

Outro ponto extremamente desafiante consiste na dificuldade que estes nativos poderão sentir, na medida em que se não forem suficientemente dinâmicos e proactivos, irão sentir a sua vida bloqueada, estagnada, como se estivessem dentro de uma bolha, flutuando ao lado dos outros.

A sensação de quem está dentro da bolha é de impotência já que observará os outros a realizar e a obter aquilo a que se propõem, enquanto eles estão ali, parados, sem fazer nada, o que obviamente lhes devolverá um sentimento terrível de frustração, com a qual terão de lidar mais tarde ou mais cedo.

É obvio que quanto mais cedo o fizermos melhor, e ao fazê-lo deveremos levar em consideração que a solução está dentro de nós, a qual passa, em primeiro lugar, por agarrar as rédeas da nossa vida. Claro que termos de fazer um movimento simultâneo para largar a dor de não conseguirmos controlar nada, e depois decidir abdicar de controlar a nossa própria vida e o tipo e nível de experiências que temos para viver.

VÍDEO 1 - NUMEROLOGIA 2019 COM EVA VEIGAS, PARTE 1

VÍDEO 2 - NUMEROLOGIA 2019 COM EVA VEIGAS, PARTE 2

Eva Veigas

Soul Archeologist
Cura e Orientação Espiritual
Numerologia e Tarot Transpessoal

https://evaeleven.blogs.sapo.pt/
https://www.facebook.com/eva.veigas.1

https://www.facebook.com/evaveigas111/

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Lifestyle diariamente no seu email.

Notificações

Os temas mais inspiradores e atuais estão nas notificações do SAPO Lifestyle.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.