Ao analisar os trânsitos dos planetas durante este mês de Junho surgiu-me a memória do período durante o qual a tensão entre Úrano / Plutão, e durante menos tempo com Saturno, desafiavam ferozmente aqueles que possuíam nos seus mapas natais planetas ou eixos em signos cardeais (Carneiro, Caranguejo, Balança e Capricórnio). Foi entre 2011 e 2015. Actualmente Úrano e Plutão ainda se encontram nos mesmos signos mas sem formarem aspecto entre si. Sim, é verdade que continuam a ter sua influência na cruz cardeal mas sem um efeito em conjunto, algo muito mais pausado, como se pudéssemos tratar de “cada coisa a seu tempo”.
Mas desde 2015 o grande enfoque da tensão muda para a relação entre Saturno / Neptuno / Júpiter, e passa a ter lugar em signos mutáveis. E por isso não passa um mês desde então que não tenhamos que abordar este tema. Para aqueles que possuem nos seus mapas natais planetas ou eixos nestes signos (Gémeos, Virgem, Sagitário e Peixes) estes trânsitos estão a activar a já existente tensão natural que existe na vossa vida. No caso dos que não possuem energias em signos mutáveis é uma excelente oportunidade para integrarem uma qualidade para a qual não possuem uma afinidade natural.
Mas apesar do mapa natal de cada um expressar de forma individual estas tensões induzidas pelos trânsitos planetários, a verdade é que de forma mais ou menos intensa todos estaremos a sentir o efeito destas tensões que ocorrem em signos mutáveis. E foquei-me desde o início nesta temática porque este mês de Junho terá fortes posicionamentos nestes signos formando ao longo do mês aquilo que denominamos em astrologia de “Cruz Cósmica”. Isto significa que teremos planetas a transitar todos os signos mutáveis e a formarem aspectos entre si em simultâneo. Isto requer uma maior maestria na capacidade para distribuir as energias de modo equilibrado sem que enlouqueçamos por entre toda a dispersão. O segredo para passar pelo desafio com um upgrade na Consciência talvez consista em perceber exactamente o que pretendem as energias mutáveis. Não se trata de iniciar (cardeal), nem concentrar (fixo), mas sim em conseguir distribuir a energia de forma a retirar o melhor proveito das circunstâncias (mutável). Trata-se muito mais de conseguir fluir do que propriamente focarmo-nos em algo por muito tempo, fixarmo-nos ou concentrar nisso muita energia. Em astrologia chamamoslhes as “Qualidades” – Cardeal, Fixa, Mutável – na natureza são os 3 meses de cada “estação do ano”; no hinduísmo corresponde a “Trimurti” – Brahma (Criação), Vishnu (Conservação) e Shiva (Destruição). Então poderíamos dizer que a qualidade Mutável tem a energia de Shiva (o deus da destruição das formas). E poderíamos fazer muitas mais associações porque a Sabedoria encontra-se repetida e dispersa nas mais diferentes “formas” de conhecimento. Todas se validam. E isto (o conhecimento) também é algo peculiar da energia Mutável – destruídas as formas (Shiva) o que resta? Corresponde à aprendizagem resultante da experiência para podermos passar para um novo ciclo. A qualidade mutável é uma energia de Transição, por isso trata-se de conseguir perceber o que é que transita para a “estação” seguinte (ou seja para o novo ciclo). O que é que aprendemos e queremos transmitir? O que é informação útil e serve para o meu aperfeiçoamento? O que é que acrescenta Significado à minha vida e me expande? O que é que me devolve à Unidade? Gémeos… Virgem… Sagitário… Peixes

Desde o inicio deste mês, Júpiter começa a desfazer a quadratura com Saturno e a oposição a Neptuno. No entanto, a tensão entre Saturno / Neptuno acentua-se e é permanente durante todo o mês de Junho (temos a quadratura exacta entre estes dois entre os dias 4 a 18, a 12 graus). Para além disso, ambos já estarão retrógrados a partir do dia 13 (Neptuno entra em movimento retrógrado a 13 de Junho). Este é o segundo contacto entre estes dois planetas, o terceiro ocorrerá em Outubro deste ano. Esta é daquelas tensões que exige o melhor de nós mesmos. Vem mostrar as ilusões com relação ao que considerámos ser verdade para que possamos estruturar uma realidade verdadeiramente espiritual. Esta quadratura pretende provocar o conflicto interno que denuncia todos os falsos dogmas e fanatismos individuais. Se efectivamente, a nossa estrutura estiver desactualizada, o que sentiremos é uma dissolvição e uma sensação de perda de consolidação e desorientação para que possamos baixar todas as nossas defesas que impedem o reconhecimento da Verdade e para que possamos perceber quanto da nossa vida mundana nos afastou da vida da Alma. Talvez tenhamos vontade de escapar a tanta responsabilidade e trabalho e pura e simplesmente desintegrar. Na Verdade Neptuno pede para transcender as nossas limitações, neste caso filosóficas e de saber, para que possamos dar estrutura e trazer para a matéria um conhecimento mais subtil, mais refinado, que ultrapassa o que a mente consegue explicar e para o qual fomos ensinados a acreditar. Por outro lado Saturno pede que estruturemos uma nova visão que consolide esta nova vida e nos ajude a não nos perdermos em escapismos, utopias, derrotismos e vitimizações. Uma estrutura que nos oriente e nos ajude a decidir que Caminho desejamos percorrer, mas que simultaneamente não nos ilibe da responsabilidade de lidar com as limitações resultantes das nossas escolhas.
E como já percebemos, este é um mês particularmente “Mutável”. Vénus e Sol mantêm-se em Gémeos até 17 e 20 de Junho respectivamente, e Mercúrio ingressa a 12 de Junho permanecendo em domicílio até ao dia 29. Todos estes trânsitos vão ser responsáveis pela formação gradual ao longo do mês da já referida “Cruz Cósmica”. É uma configuração planetária de grande tensão e que está relacionada com os princípios de que já falámos no início deste texto. Mas existe algo de muito benéfico que pode ser aproveitado no meio de todas estas quadraturas e oposições. Estes posicionamentos no signo de Gémeos trazem a oportunidade de compreender o stress, a tensão e os problemas através de outra perspectiva. Trazem as qualidades de raciocínio lógico, de análise imparcial da informação, de compreender os “dois lados da moeda” (ou pelo menos ver que existe o outro lado da moeda), a leveza para procurar outras abordagens e pontos de vista, a “ingenuidade” mental que não está viciada em crenças pré-definidas, dogmas ou pré-conceitos que bloqueiam a capacidade de procurar a solução noutros locais e permitir a abertura do caminho pelo qual tantos de nós anseiam. Gémeos é o primeiro signo da cruz mutável, por isso são trânsitos num signo que não reporta ao conhecimento que resulta da cumulação de experiência, mas antes aquele que traz a oportunidade para começar um novo ciclo de distribuição de energia na nossa vida, de olhar para a vida e para as circunstâncias (as melhores e as piores) com os olhos de uma criança… afinal Mercúrio, e em especial como regente do signo de Gémeos, é o Puer da astrologia… E por falar em início de ciclo, temos a reforçar e a abençoar esta proposta, a Lua Nova que ocorre a 5 de Junho a 14º53’ de Gémeos. Talvez ajude não esquecer que todas as Formas que  damos à nossa Vida tiveram primeiro origem no nosso Pensamento e por isso esta é uma excelente oportunidade para analisar a qualidade dos nossos pensamentos e como podemos ampliar a qualidade das nossas escolhas se compreendermos o seu poder. O Sol estará conjunto a Vénus até ao dia 13 Junho criando a força da atracção necessária para esta ampliação de Consciência. Existindo a nossa disponibilidade interna para aceitar esta energia, existe a probabilidade de grandes benefícios no que respeita a novas oportunidades de aprendizagem e de estabelecer novas pontes com o ambiente envolvente.

Então, isto traz todas estas oportunidades se quisermos e estivermos disponíveis para abrir a mente e deixar a nossa curiosidade fazer o seu papel ou, um período de grande confusão e propício a uma série de mal-entendidos se nos mantivermos presos nas estruturas dogmáticas e vitimizantes que a nossa vida leva até então, se estivermos muito resistentes a simplesmente conversar ou ouvir outras opiniões e pontos de vista. Como já vimos Mercúrio estará no seu domicílio entre 12 e 29 de Junho trazendo grande agitação durante este período e grande activação destas qualidades.
Entretanto Marte mantém-se retrógrado no signo de Escorpião até ao dia 29 altura em que passa a movimento directo no grau 23. Vale a pena referir que durante praticamente todo o mês Marte faz quincôncio a Úrano e trígono a Quíron. Isto pode gerar muita irritabilidade bem como explosões de raiva repentinas como consequência da acumulação de frustração resultante da necessidade de fazer algo novo mas de ainda não conseguir (os efeitos do movimento retrógrado de Marte é um tema já desenvolvido em Maio Astrológico e do qual recomendo leitura). Mas como “aquilo que não nos mata torna-nos mais fortes” (já dizia Friedrich Nietzsche) o trígono a Quíron é essa oportunidade de sarar as feridas e de transformarmos o veneno na própria cura. Ao relacionarmos este trânsito de Marte com toda a energia mutável do mês de Junho faz-me sentido pensar que se trata essencialmente de um mês em que é necessário distribuir de forma correcta a nossa energia e reter o “néctar” resultante da “safra” para que possamos levar apenas a sabedoria da experiência, de abrirmos a nossa mente para novas abordagens e formas de ver a vida abraçando a agitação das inúmeras variáveis que nela entram através da capacidade de manter a flexibilidade e a adaptabilidade. No entanto o ímpeto para agir de forma descondicionada está ainda travado.
A 17 de junho Vénus ingressa em Caranguejo, seguindo-se o Sol a dia 20, e por fim Mercúrio a 29 de junho. Começamos a transitar para uma energia completamente diferente que apela para uma Consciência dos estados internos. Passamos de uma estado mais mental para um mais subjectivo, emocional e pessoal. É tempo de fazer ressoar a experiência exterior com a nossa dimensão interior e celular. Começarmos a estabelecer ligação com as novas experiências (uma faculdade fundamental do Caranguejo) e a perceber de que forma é que o passado e as memórias que transportamos influenciam a nossa vida. É um signo Cardeal e trata-se da necessidade de agir em função do que sentimos. Mas esta será uma temática a ser fortemente desenvolvida em Julho Astrológico.
Por agora deixo-vos com bastante informação para digerir. Afinal a energia Mutável é forte durante o mês de Junho e não convém criar mais dispersão ;)
Na fidelização à Vida está a dádiva da Auto-Descoberta…
Sobre Ana Paula Pestana:
Ana Paula Pestana sempre desenvolveu a sua actividade académica e profissional na área das ciências, mas a sua busca espiritual e o interesse pelos símbolos levou-a a mudar todo o sentido e orientação que sua vida tinha até então. Aconteceu no dia em que assistiu à sua primeira aula de astrologia no Quíron com Maria Flávia de Monsaraz, em 2006. Desde então completou vários estudos em astrologia passando igualmente pela Faculty of Astrological Studies (Londres) e pelo AlmaSoma (Instituto de Transpessoal) para o desenvolvimento de ferramentas ligadas à psicologia e à espiritualidade. Desenvolve o seu conhecimento e prática astrológica (em consultas, formação, palestras e workshops) com base nos princípios do esoterismo porque, no seu entender, a astrologia é mais do que um conhecimento, é uma filosofia de vida que a fez sentir-se em Amor com a Vida. Paralelamente desenvolve um projecto de ensino em astrologia e desenvolvimento transpessoal em conjunto com a AlmaSoma (Instituto de Transpessoal) que terá início em Setembro de 2016 e que oferece ao estudante de astrologia uma estrutura de ensino profunda e completa (consulte o seu blog para mais informações).
Contactos:
Ana Paula Pestana
ap_pestana@hotmail.com
ASCENDENTE, Astrologia para um Desenvolvimento Consciente ® - www.ascendentt.wordpress.com
https://www.facebook.com/anapaula.pestana.58
925560757

Um bocadinho de gossip por dia, nem sabe o bem que lhe fazia.

Subscreva a newsletter do SAPO Lifestyle.

Os temas mais inspiradores e atuais!

Ative as notificações do SAPO Lifestyle.

Não perca as últimas tendências!

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #SAPOlifestyle nas suas publicações.