Foi apenas a quarta mulher a receber uma nomeação para o Óscar de Melhor Realização e à quarta foi de vez. No Dia da Mulher, olhamos para a senhora de armas do momento no cinema, Kathryn Bigelow.

Lina Wertmüller, Jane Campion e Sofia Coppola antecederam-na na nomeação, mas foi mesmo Kathryn Bigelow quem fez história na cerimónia dos Óscares.

Para além do seu filme, «Estado de Guerra», ter vencido seis Óscares, incluíndo o de Melhor Filme, ela voltou para casa com a estatueta dourada para Melhor Realização, tornando-se na primeira mulher a consegui-lo.

Bigelow parecia ter toda a plateia a torcer por si e até dois apoiantes improváveis tinha afirmado publicamente a vontade de a ver ganhar. Um deles, o ex-marido, James Cameron, que reclamava para o seu «Avatar» o prémio de Melhor Filme, mas «oferecia» a Bigelow o de realizadora. O outro, Quentin Tarantino, que afirmou não ter votado em si próprio para o prémio mas sim na cineasta norte-americana. E ela não é uma cineasta qualquer.

É a mulher da Sétima Arte que mais aborda temas em que a condição masculina está em primeiro plano. Temas duros, explosivos, sem a doçura que geralmente se associa às mulheres. Bigelow começou carreira como pintora e entrou no mundo do cinema por via da arte, estudando depois teoria e crítica cinematográfica na Universidade de Columbia, com professores como Susan Sontag.

Após algumas experiências sem grande consequência, a primeira longa-metragem que realizou a solo, o «neo-western» de vampiros «Depois do Anoitecer» (1987), foi um «flop» de público mas agradou à crítica e tornou-se desde então um êxito de culto. Seguiu-se o filme policial «Aço Azul» (1990), com Jamie Lee Curtis como polícia novata em perseguição de um assassino, mas o primeiro grande sucesso de Bigelow chegou com «Ruptura Explosiva» (1991), com Keanu Reeves e Patrick Swazye.

Os «100% de adrenalina pura» que o último reclamava no filme podiam ser aplicados ao trabalho de Bigelow: as suas películas são sempre vertiginosas na encenação da acção, notáveis na construção de ambientes de tensão e muito cuidadas no plano visual. Um dos produtores de «Ruptura Explosiva» foi James Cameron, então casado com Bigelow e este ano seu rival na conquista do Óscar.

O realizador escreveu e co-produziu o filme seguinte da cineasta, «Estranhos Prazeres» (1995), que, como quase todos os da carreira da realizadora, desenvolveu desde então um fenómeno de culto. Após tentar o drama com «Tempestade no Mar» (2000), Bigelow assinou o «flop» «K-19» (2002), cujo fracasso levaria a que só voltasse à cadeira de realizador em 2009 com «Estado de Guerra».

O regresso, contudo, foi em beleza, com um filme sobre o desarmamento de bombas no Iraque que se tornou de longe o seu maior êxito de crítica, que tem sido um dos maiores arrebatadores de prémios da temporada e que, depois de ontem, a tornou na primeira mulher a ter um Óscar que até então apenas pertencia aos homens. Saiba mais em SAPO Cinema.

08 de Março de 2010

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Lifestyle diariamente no seu email.

Notificações

Os temas mais inspiradores e atuais estão nas notificações do SAPO Lifestyle.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.