De forma a combater as mais recentes taxas altas de inflação, devido ao cenário atual em que vivemos com a invasão da Rússia à Ucrânia, prevê-se que as taxas de juro do crédito habitação subam brevemente. Subir os juros de referência para a Zona Euro será uma das medidas do Banco Central Europeu para travar a inflação. Mas que impacto pode ter esta subida, afinal, nos créditos habitação?

O que é a Euribor?

Para que tenha uma melhor noção do impacto que a subida da Euribor pode ter no seu crédito habitação, procuramos explicar o que é esta taxa e como funciona nos créditos.

A Euribor é um dos principais indicadores do crédito habitação em Portugal e pode fazer descer ou subir a prestação que paga pelo mesmo. É uma taxa de referência que resulta da taxa média cobrada pelos bancos da União Europeia (UE) entre si.

Esta pode ser cobrada a vários prazos: uma semana, um mês, três meses, seis meses e um ano. Embora os prazos mais utilizados sejam a três, seis e 12 meses. E o que significa isto? Significa que, caso tenha a taxa variável no seu crédito habitação, e se escolheu, por exemplo, a Euribor a seis meses, o valor da taxa de juro aplicável é revisto semestralmente no seu crédito. E, caso tenha subido, como é previsto acontecer agora (pela primeira vez em anos, uma vez que a Euribor se tem mantido em valores negativos), significa que vai ficar a pagar mais pelo seu crédito habitação.

Ou seja, ao escolher uma taxa variável, está sempre sujeito às flutuações da Euribor. Os valores podem ser mais baixos do que se optar por uma taxa fixa, mas, se os valores da Euribor aumentarem (algo que se espera), pode ficar a pagar mais.

O que acontece ao meu crédito habitação, com a subida da Euribor?

Então, como a inflação está a subir, é previsto que o Banco Central Europeu (BCE) suba os juros de referência para a Zona Euro. Assim, ao subir os juros, o BCE faz com que o valor da Euribor, inevitavelmente, suba também. E estas oscilações vão impactar o valor que paga pelo seu crédito habitação.

Mas existem opções que pode tomar previamente, para atenuar a subida de juros e se preparar financeiramente. Como rever as taxas de juro que tem no crédito, por exemplo.

Posso mudar as taxas de juro do meu crédito habitação?

Para se precaver, pode pedir para renegociar as taxas de juro do seu crédito habitação, de modo a obter uma poupança.

Além da Euribor, ainda tem no seu crédito outra taxa denominada de spread, a TAN e a TAEG, e a opção de escolher taxa variável, fixa ou mista.

Deve olhar com atenção para a TAEG, pois esta reflete os custos totais associados ao seu contrato de crédito, incluindo seguros, cartão de crédito ou outros produtos. Ao renegociar as condições do crédito, como estes produtos associados, pode conseguir baixar a TAEG e, por conseguinte, a sua prestação mensal.

Depois, pense se, neste momento, possa compensar alterar a sua taxa da variável para a fixa ou mista. Se optar pela fixa, vai pagar sempre o mesmo valor até ao final do contrato, não havendo revisões nem implicações caso a Euribor suba. E se escolher a mista, fica com uma taxa fixa inicialmente e variável após o prazo que estabelecer.

Normalmente, as prestações ficam mais caras caso opte por taxa fixa ou mista, ao invés da variável. Porém, devido ao atual cenário, com uma taxa fixa pode ter mais segurança no valor que paga de prestação, pois não se vai alterar com as flutuações da Euribor.

Para que tome uma decisão consciente, pondere os vários fatores e faça contas. De modo a perceber que situação compensa mais: se manter a taxa variável que vai aumentar com a subida da Euribor, ou se alterar para taxa fixa.

Um bocadinho de gossip por dia, nem sabe o bem que lhe fazia.

Subscreva a newsletter do SAPO Lifestyle.

Os temas mais inspiradores e atuais!

Ative as notificações do SAPO Lifestyle.

Não perca as últimas tendências!

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #SAPOlifestyle nas suas publicações.