Nos dias de hoje, é bastante usual a utilização da internet para recorrer aos bancos, através da aplicação do homebanking.

O homebanking que não é mais do que uma plataforma digital onde pode aceder e gerir de forma rápida e prática as suas contas bancárias e fazer várias operações através do seu smartphone.  Sem se dirigir a uma caixa multibanco ou ao próprio balcão, pode, por exemplo realizar todas as transações financeiras, consultar extratos, fazer pagamentos, transferências bancárias e até constituir depósitos a prazo e contas-poupança.

No entanto, é necessário reforçar que existem riscos associados aos serviços e pagamentos bancários efetuados online que deve ter cuidado, nomeadamente através do homebanking. Por isso, é importante que conheça bem esses riscos, conseguindo assim proteger a sua conta enquanto faz movimentos e transações.

1. Codificação da informação

Hoje em dia, todos os bancos utilizam a criptografia (codificação da informação). Isto é, ao digitar o nome do banco, é importante que verifique se antes do endereço aparece um cadeado verde e o “https”. Caso apareça, significa que a conexão está criptografada e a comunicação é segura.

É importante também verificar se o nome do banco está escrito corretamente. Muitas vezes as pessoas fazem a pesquisa no Google pelo nome do banco, aparecendo, por vezes, uma lista com vários endereços semelhantes.

Observe ainda se a forma como está escrito o nome do site (URL) está correta e se esse é o portal oficial da entidade bancária.

2. Dados de login corretos

Na altura de escrever a sua senha ou código de acesso, antes de o introduzir, confirme sempre se o seu nome de utilizador está correto. Só depois de confirmar é que deve digitar a sua senha.

3. Código token ou chave de segurança

Para reforçar a segurança do cliente, em cada operação ou transação, feita através do homebanking, os bancos disponibilizam o sistema de autenticação forte, através da utilização uma chave de segurança ou o código token.

No caso do código token, a grande vantagem é que este código só é válido por alguns segundos. Se não concluir a transação neste tempo, ser-lhe-á enviado outro código de autenticação, através de SMS, para validar a operação que pretende efetuar. Desta forma, é necessário que tenha o seu número de telemóvel associado à sua conta bancária.

No caso da chave de segurança (ou código multicanal), por norma esta é constituída por um conjunto de vários números, mas em cada transação só lhe é solicitado que digite três desses números, para avançar com a operação. Essa chave não deve ser fornecida a ninguém.

4. Encerrar a sessão após concluir as transações

Todas as vezes que usar o homebanking e ao terminar as suas operações, clique em “sair” ou “encerrar a sessão” e garanta que fecha a página da instituição. Se deixar a sessão iniciada, alguém poderá ter acesso à mesma. Neste campo, alguns bancos já fazem o encerramento da sessão automático caso não seja feita nenhuma interação com a mesma.

5. Acesso aos contactos dos bancos

Guarde bem os contactos de e-mail e do telefone do seu banco.

Cada vez mais é possível que receba e-mails falsos que indicam que são do seu banco. Por isso, caso receba algum a pedir-lhe para confirmar os seus dados, por exemplo, não abra, nem responda e contacte o seu banco para se certificar do envio do mesmo. Veja sempre se o remetente é invulgar.

Outro aspeto muito importante é nunca aceder à sua área de cliente do homebanking através de uma hiperligação direta, isto é, links que recebe através de uma mensagem ou e-mail, um endereço que gravou nos favoritos ou no histórico, ou um resultado de pesquisa. Opte por escrever sempre o endereço completo de acesso à plataforma no browser.

Desta forma, evita ser alvo de programas que permitem a apropriação de informação confidencial ou que reencaminham para uma página web idêntica à da sua instituição bancária, mas falsa, em que facilmente acedem aos seus dados - o chamado phishing.

Da mesma forma, se receber um telefonema dizendo que é do seu banco, nunca forneça seus dados pessoais nem senhas. Para confirmar se foi mesmo do banco, entre em contacto diretamente com o banco e tire todas as suas dúvidas.

Em suma, e apesar de o homebanking ser mais cómodo, prático e rápido, é cada vez mais importante que o cliente bancário esteja atento aos riscos, e se previna para se manter seguro ao utilizar estes serviços.

Enquanto cliente bancário deve ter conhecimento dos procedimentos de segurança da sua instituição bancária, reconhecer alguns sinais de fraude, consultar as suas contas regularmente para identificar movimentos suspeitos e aceder ao seu homebanking de forma segura.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Lifestyle diariamente no seu email.

Notificações

Os temas mais inspiradores e atuais estão nas notificações do SAPO Lifestyle.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.