Banca, uma relação de longo prazo

Podemos achar que podemos mudar de banco com alguma facilidade. Sim, isso é possível. No entanto, as coisas não funcionam necessariamente dessa forma. Na prática, começamos a criar dependências que tornam a mudança algo custosa. Por exemplo, criamos uma série de débitos diretos que darão algum trabalho a desfazer.

Não seja forreta

Por vezes resumimos a relação bancária a uma relação de serviço muito básica, valorizando apenas o banco que nos cobra as comissões mais baixas. É certo que temos de ser muito rigorosos quando falamos de comissões, uma vez que estas têm de andar de mãos dadas com o serviço que recebemos, o que não é necessariamente o caso.

Perceba o nível de serviço que valoriza

Tem crescido a popularidade de instituições que fazem as vezes de um banco com um cariz digital, as chamadas fintechs. Sendo boas soluções para alguns clientes, estão ainda num nível de serviço muito básico. Daí sugerirmos que deve perceber o que espera do seu banco. Se quer apenas uma plataforma para fazer pagamentos e receber o seu ordenado, poderá apontar para um conjunto de bancos. Se valoriza o aconselhamento e a resolução de problemas, há outras instituições mais qualificadas. Sempre sem esquecer que o serviço vem acompanhado de custos, que na realidade podemos considerar como investimentos.

Pense fora da caixa

A oferta bancária tem vindo diversificar-se bastante e os atores de mercado são cada vez mais diversos. A concorrência tem crescido, pelo que hoje temos bancos tradicionais, bancos digitais, fintechs, plataformas de corretagem online ou plataformas de investimento fintech. Com isto queremos dizer que o leque de oferta é muito vasto e que podemos combinar diferentes soluções para o nosso conforto e satisfação.

E se quiser crédito?

A concessão de crédito ainda tem sido feita, maioritariamente, pela banca tradicional e por instituições financeiras de crédito. É certo que estão a surgir novas soluções, mas ainda não estão assim tão difundidas e massificadas. Nos dias que correm, contudo, podemos ter um crédito aprovado rapidamente, seja com ajuda de fintechs seja com ajuda de intermediários de crédito que, como a Reorganiza, trabalham com a generalidade da banca. Logo, criar histórico e confiança num banco não têm assim tanto valor como teve no passado. Não esquecer que as relações bancárias do passado eram entre cliente e gestor de conta (e não com o banco). Como assistimos cada vez a mais despedimentos, a relação quebra-se.

Deixamos alguns pontos de reflexão para o orientar na sua escolha. Como viu, não temos nenhuma fórmula mágica pois sabemos que aquilo que um cliente valoriza outro não acha assim tão importante. Mas esperamos ter salientado a importância de não olhar apenas para o custo, porque o barato às vezes pode sair demasiado caro.

Um bocadinho de gossip por dia, nem sabe o bem que lhe fazia.

Subscreva a newsletter do SAPO Lifestyle.

Os temas mais inspiradores e atuais!

Ative as notificações do SAPO Lifestyle.

Não perca as últimas tendências!

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #SAPOlifestyle nas suas publicações.