Analise a qualidade do serviço

O primeiro passo em todo o processo é analisar a qualidade de serviço que tem tido no seu banco atual. Alguns clientes não se relacionam minimamente com a entidade mas outros têm uma relação de grande proximidade. Perceba o que gosta no seu banco atual e o que gostaria de mudar, pois nem tudo se resume a poupança.

Analise todos os custos que paga

Apesar de nem tudo se resumir a poupança, deveremos analisar todos os custos que o banco nos cobra. Isto é, perceber quanto pagamos de comissões de manutenção de conta, quais as comissões dos cartões, qual o spread e o custo dos seguros que pagamos (e as coberturas que temos contratadas). Em suma, saber quanto nos custa relacionarmo-nos com o banco.

Perceba as alternativas que existem no mercado

Depois de conhecidos os custos que suportamos é altura de perceber se existem alternativas mais competitivas no mercado. Neste ponto consideramos não só o spread (que conseguimos a partir de 0.85%) como os custos associados, com especial destaque para o custo do seguro de vida. Para o ajudar, poderá usar um simulador ou conhecer o nosso comparador do melhor crédito habitação.

Perceba a margem que tem no banco

Mesmo tendo descoberto a possibilidade de poupar dinheiro no seu crédito habitação, o mesmo não significa necessariamente que deve mudar de banco. Se está contente com a sua instituição bancária o primeiro passo consiste em contactar o seu gestor de conta para perceber qual a margem que o banco tem para reduzir a sua fatura. Com alguma probabilidade pode ter uma redução no spread ou a possibilidade de ter um desconto no seguro de vida. Negoceie primeiro antes de mudar e perceberá o quanto o banco o valoriza.

Se precisar, mude

Se o banco não tiver margem negocial para lhe apresentar uma proposta competitiva é altura de mudar para outro mais competitivo. Sugerimos que consulte um intermediário de crédito certificado e que lhe exponha as suas dúvidas e preocupações. Tem a vantagem de que poderá ter a isenção de um conjunto de custos de transferência, como sendo a comissão de amortização antecipada, os custos com escrituras e avaliações, entre outros.

Uma relação bancária não se resume a custos mas não deveremos dar a oportunidade ao banco de nos cobrar mais do que o valor competitivo e justo. Se for possível pagar menos, melhor. Com a queda das taxas de juro e a guerra de spreads, é possível poupar dinheiro e aumentar a sua segurança financeira. Por que não aproveitar?

Um bocadinho de gossip por dia, nem sabe o bem que lhe fazia.

Subscreva a newsletter do SAPO Lifestyle.

Os temas mais inspiradores e atuais!

Ative as notificações do SAPO Lifestyle.

Não perca as últimas tendências!

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #SAPOlifestyle nas suas publicações.