É, de facto, um processo que envolve muitos detalhes e por isso ter a melhor relação com a entidade bancária é um primeiro passo para o sucesso do seu processo.

Contudo, deixamos quatro pontos essenciais que deve ter em conta para ter um processo de aprovação de crédito habitação mais suave:

1. Seja transparente com o banco

Fale com o gestor de conta que tem à sua frente. Diga-lhe quais são as suas motivações, a sua situação atual, a razão pela qual quer comprar casa, as suas expectativas. No início do processo, toda e qualquer informação pode ser essencial para lhe dar uma proposta adequada à sua situação.

É importante ser transparente sobre a sua situação profissional. Na avaliação do seu caso, o banco irá sempre ver se tem um rendimento regular e se o seu vínculo laboral é estável. Se mostrar estes dados e forem bons, certamente a sua proposta será melhor.

2. Veja a sua taxa de esforço e outros créditos

A sua taxa de esforço mostra ao banco qual a sua capacidade financeira para pagar os seus compromissos financeiros, fazendo com que seja um potencial candidato a ter um bom crédito habitação. Recomendamos que a taxa de esforço não ser superior a 1/3 do rendimento total do agregado familiar, ou seja, uma taxa de esforço de 33%.

Muitos bancos colocam a taxa de esforço num máximo de 40%, na condição de se apresentar fiadores. Contudo, quanto menor for a taxa de esforço, melhor poderá negociar a sua proposta.

Pode calcular a sua taxa de esforço a partir da seguinte fórmula:

Taxa de esforço = (Encargos financeiros / Rendimento Líquido Total do Agregado) x 100

Para poder baixar a sua taxa de esforço, deverá rever as suas despesas e os créditos que poderá ainda ter por liquidar, antes de pedir uma proposta de crédito habitação. Assim, reduz os seus encargos financeiros e apresenta inicialmente uma taxa de esforço mais satisfatória.

3. Considere ter um montante disponível para dar de entrada

Desde 1 de julho deste ano que a norma do Banco de Portugal veio condicionar o financiamento a crédito habitação. Desde esta data que os bancos só poderão beneficiar até 90% do valor de compra, sendo que é melhor ter algum dinheiro de parte para poder dar de entrada. Atualmente, o montante médio dispensado anda à volta dos 80%, ou seja, cabe-lhe a si arranjar os restantes 20% para ter o seu imóvel totalmente financiado. Analise a casa a que se propõe comprar e veja se as suas poupanças ajudam a cobrir esta despesa.

4. Reúna toda a documentação necessária

Para ter um processo mais suave, colabore com a entidade bancária e tenha a documentação pedida em dia. Assim, a avaliação do seu processo é feita mais rapidamente, já que não é necessário estar a trocar mensagens constantes a pedir mais documentos ou novas atualizações.

Estas dicas ajudam-nos a ter mais probabilidade de conseguir a aprovação do seu crédito habitação pelo banco. Reforçamos que é importante escolher o imóvel a comprar de acordo com as suas expectativas e que deve pedir um empréstimo abaixo da sua capacidade máxima de financiamento.

Se pedir um empréstimo abaixo dessa capacidade, está-se a proteger dos imprevistos que poderão acontecer nos próximos anos e poder ajustar o seu orçamento familiar às situações mais desagradáveis sem prejudicar a sua taxa de esforço e o seu futuro.

Escolha o imóvel certo para si, seja cauteloso, compare as várias propostas, prepare o processo com a documentação necessária e poderá ter uma ótima proposta de crédito habitação.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Lifestyle diariamente no seu email.

Notificações

Os temas mais inspiradores e atuais estão nas notificações do SAPO Lifestyle.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.