A diarreia caracteriza-se pelo aumento da frequência de dejeções - três ou mais vezes ao dia -com fezes líquidas ou pastosas, embora essa frequência e consistência sejam variáveis.

Esta perturbação pode estar associada a dor abdominal, tipo cólica, que alivia com a dejeção, assim como sensação de distensão abdominal, náuseas e/ou sensação de urgência em evacuar.

A diarreia pode ser aguda, de aparecimento súbito e de curta duração, ou crónica quando ocorre durante um período superior a quatro semanas.

A diarreia pode provocar desidratação e perda de eletrólitos (minerais que são fonte de energia e hidratação) do sangue, como o sódio, potássio, magnésio, cloro e bicarbonato. Caso sejam perdidas grandes quantidades de líquido e eletrólitos, a pressão arterial pode baixar ao ponto de provocar desmaio (síncope), anomalias do ritmo cardíaco (arritmias) e outros distúrbios graves. Esse risco é mais provável em idosos, pessoas debilitadas e pessoas com diarreia muito grave.

Por outro lado, as pessoas mais velhas têm, geralmente, maior propensão à hospitalização devido à natural maior incidência de complicações médicas e podem, por isso, desenvolver alguns tipos de infeções. Uma das mais recorrentes é a infeção bacteriana por Clostridium difficile, comum em instituições como lares. Tal infeção é uma importante causa de diarreia.

Por outro lado, alguns pacientes idosos são polimedicados, sendo a diarreia um efeito secundário comum a vários fármacos, sendo os antibióticos responsáveis por 25% da incidência desta perturbação como efeito secundário.

Os idosos são mais propensos à diverticulose — a presença de bolsas designadas de divertículos que se desenvolvem através de fraquezas da parede do cólon — e mais de metade dos idosos têm diverticulite - inflamação dos divertículos. A maior parte das pessoas com diverticulose não possui sintomas, mas estes, quando surgem, são, sobretudo, caracterizados por dor abdominal, alteração dos hábitos intestinais e diarreia.

O diabetes pode ser também uma das grandes causa por detrás da diarreia crónica em idosos, particularmente quando essa condição deu origem a uma neuropatia diabética, uma patologia relacionada fezes soltas ou incontinência fecal causada por excesso de bactérias no intestino grosso da pessoa com diabetes.

Há no entanto várias causas para a diarreia aguda que podem afetar os idosos

  • Infeção por vírus, bactérias ou parasitas (gastroenterite);
  • Intoxicação alimentar;
  • Efeitos secundários medicamentosos.

Causas mais comuns de diarreia crónica em idosos

  • Síndrome do intestino irritável;
  • Doença inflamatória intestinal;
  • Efeitos secundários de medicamentos;
  • Má absorção;
  • Diverticulite.

Sinais de alerta a ter em conta nos idosos

  • Sangue nas fezes
  • Febre alta e superior a 72 horas
  • Sinais de desidratação (como micção reduzida, letargia ou apatia, sede extrema e boca seca)
  • Diarreia noturna
  • Perda de peso

A leitura deste artigo não dispensa a consulta de um profissional de saúde.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Lifestyle diariamente no seu email.

Notificações

Os temas mais inspiradores e atuais estão nas notificações do SAPO Lifestyle.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.