Uma urgência tem custos adicionais para muitos habitantes do Distrito de Bragança obrigados a desembolsar dezenas de euros em táxi para regressar a casa devido às distâncias a que são transportados para receberem os cuidados hospitalares necessários.

É um “drama social” num dos distritos mais envelhecidos do país, com idosos a receberem pensões mínimas, como disse à Lusa o comandante dos bombeiros de Vila Flor, António Martins.

As corporações de bombeiros asseguram o transporte de emergência médica ao serviço do INEM, mas as ambulâncias deixam o doente na unidade de destino e têm de regressar imediatamente à base para estarem operacionais para outras emergências.

Já o retorno a casa fica por conta do doente, que tem de “se desenrascar” e na maioria dos casos tem apenas como alternativa alugar um táxi, como testemunhou à Lusa o comandante dos bombeiros de Freixo de Espada à Cinta, Sá Lopes.

“Temos três hospitais a 20 minutos entre eles, e o resto do distrito é paisagem, está tudo a uma hora, hora e meia de qualquer um”, sublinhou, referindo-se às três unidades hospitalares concentradas a norte do distrito, no eixo do IP4, as de Bragança, Mirandela e Macedo de Cavaleiros.

Acontece também que, em alguns casos, nenhum dos três hospitais tem as especialidades necessárias e o doente tem de ser levado para Vila Real, como é o caso de cardiologia.

“Já chegámos a levá-los para Braga com uma perfuração na retina ou coisa do género”, contou, referindo também as carências em oftalmologia.

Os bombeiros de Alfândega da Fé transportaram “há 15 dias” para bem mais perto uma idosa de Cerejais, evacuada para Macedo de Cavaleiros com uma hemorragia e que teve de pagar 50 euros de táxi para regressar a casa, a menos de 50 quilómetros do hospital.

“Meia hora depois (de dar entrada no hospital) a doente estava a ter alta, eram onze e meia da noite, já não havia transportes públicos, foram 50 euros de táxi para uma pessoa idosa e com uma pensão social”, contou à Lusa o comandante dos bombeiros de Alfândega da Fé, João Martins.

A doente fez uma reclamação por escrito para os bombeiros, que já lhe explicaram que as instruções são estas:”é chegar, deixar o doente e vir embora”.

O comandante está a pensar reencaminhar a queixa para o Ministério da Saúde porque considera que é “um problema social” que preocupa também o colega de Vila Flor.

“É uma situação que nos preocupa porque nós sabemos perfeitamente as carências que os utentes têm e as dificuldades económicas, muitos deles não têm possibilidades de pagar o transporte”, referiu.

.Emílio Madeira, de 68 anos, sentiu-se mal em dezembro e foi evacuado pelo INEM para Vila Nova de Foz Côa, a urgência básica mais próxima da aldeia onde vive, Ligares, no concelho de Freixo de Espada à Cinta.

Pagou “40 euros de táxi” para fazer os pouco mais de 30 quilómetros de regresso.

Parte da população idosa está isenta de taxas moderadoras e outros custos na saúde por receber pensões baixas, mas “não está isenta do custo do transporte de retorno”, como frisou o comandante dos bombeiros de Freixo de Espada à Cinta, o concelho mais afastado do principal hospital da região, o de Bragança.

Para fazer os 130 quilómetros que separam a duas localidades, um doente tem de pagar 120 euros de táxi, mais de metade da reforma de muitos idosos desta região, que não dispõe de uma rede de transportes públicos com uma resposta eficaz.

“Desde que comece a anoitecer, os transportes públicos param e (as pessoas) ou ficam alojadas numa residencial ou têm de se deslocar num veículo de um familiar ou de táxi, que é caro e as pessoas não têm possibilidade para pagar isto”, referiu António Martins, dos bombeiros de Vila Flor.

Mais de 120 euros foi quanto cobrou, há pouco mais de um mês, o taxista de Bragança, José Vidal Pereira, a um habitante de Torre de Moncorvo, para o levar de volta a casa, depois de ter sido evacuado para o hospital de Bragança na sequência de um acidente de viação.

As pessoas “não têm culpa de estar longe dos hospitais”, sublinha o comandante dos bombeiros de Freixo de Espada à Cinta, que lembra que “muitas pessoas idosas são largadas nos hospitais e nem têm capacidade para procurar um táxi ou o que quer que seja”.

19 de janeiro de 2012

@Lusa

Um bocadinho de gossip por dia, nem sabe o bem que lhe fazia.

Subscreva a newsletter do SAPO Lifestyle.

Os temas mais inspiradores e atuais!

Ative as notificações do SAPO Lifestyle.

Não perca as últimas tendências!

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #SAPOlifestyle nas suas publicações.