27 de março de 2014 - 10h22
O responsável do Health Cluster Portugal defendeu hoje que o turismo de saúde é uma oportunidade de negócio, sem necessidade de investimentos adicionais, pois o país tem oferta excedentária de equipamentos, infraestruturas e profissionais, faltando apenas apostar na promoção.
O diretor executivo do Health Cluster Portugal (HCP), Joaquim Cunha, disse hoje à agência Lusa que, "de facto, há um potencial e não precisa de investimento, ou seja, os hospitais que [o país] tem chegam e neste momento, quer da parte pública quer da privada, há uma oferta excedentária".
Para Joaquim Cunha, Portugal tem mais unidades de saúde, aparelhos e recursos humanos do que necessita, situação que relacionou com a evolução demográfica, a estagnação da população e com o facto de alguns investimentos terem sido projetados e iniciados numa altura em que a economia estava a crescer e já não foi possível alterar a sua concretização.
O turismo de saúde, com um desenvolvimento recente, junta a visita, normalmente a outro país, com o objetivo de realizar tratamentos médicos, com maior destaque nas áreas dentária, estética, ortopédica e das fertilizações.
Com um clima ameno e produtos turísticos variados, da praia à cultura, história ou gastronomia, o destino Portugal tem recebido distinções no estrangeiro, uma vantagem a que pode juntar-se, segundo o HCP, a qualidade dos serviços médicos.
No entanto, "precisamos de investir sobretudo na promoção" do país, salientou Joaquim Cunha.
"Temos histórias de sucesso, uma é o Sistema Nacional de Saúde [SNS], a parte pública e privada", defendeu o responsável.
Para o HCP, o SNS "compara bem com outros [sistemas] a nível internacional, mas os outros [países] não sabem. A imagem que um alemão tem do nosso SNS não corresponde à sua qualidade, o que não é verdade junto dos médicos, pois convivem em congressos internacionais e conhecem-se".
A falta de conhecimento da forma como funciona o SNS leva a um "défice de reputação" de Portugal nesta área, o que "tem de ser trabalhado", frisou Joaquim Cunha.

O diretor executivo do HCP faz questão de explicar que não se trata de uma imagem negativa do sistema de saúde, mas sim de uma "má imagem de Portugal e dos países do sul" da Europa.
Os jovens médicos e enfermeiros que acabam por emigrar e ir trabalhar para outros países têm um papel "importantíssimo" na construção dessa reputação e estes profissionais "são muito bem formados".
"Temos de ter uma estratégia de nos promovermos internacionalmente, onde fará sentido utilizar os nossos ativos", resumiu Joaquim Cunha.
Lusa

Um bocadinho de gossip por dia, nem sabe o bem que lhe fazia.

Subscreva a newsletter do SAPO Lifestyle.

Os temas mais inspiradores e atuais!

Ative as notificações do SAPO Lifestyle.

Não perca as últimas tendências!

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #SAPOlifestyle nas suas publicações.