O projeto Biosphere (Biosfera), financiado com 1,85 milhões de euros, tem a participação do Centro de Física e Investigação Tecnológica da Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade Nova de Lisboa, a única instituição científica portuguesa entre as 22 europeias que se associaram ao projeto.

Filipe Ferreira da Silva, especialista em física molecular que coordena a equipa portuguesa, disse hoje à Lusa que o projeto visa "desenvolver ferramentas, metodologias e infraestruturas de medida necessárias", como sensores de medição e detetores, "para avaliar o impacto da radiação cósmica e radiação solar na biosfera terrestre".

A informação recolhida servirá "como suporte a decisões políticas europeias" nas áreas do clima e saúde.

O Centro de Física e Investigação Tecnológica vai focar-se no "estudo e descrição de processos moleculares que afetam a camada de ozono" da atmosfera.

Estes processos serão estudados no laboratório de colisões de átomos e moléculas, onde é analisada a interação de eletrões (partículas subatómicas) com compostos químicos - naturais ou de origem humana - existentes na atmosfera.

O projeto irá medir também os efeitos da radiação em diferentes tipos de células, como as da pele, permitindo criar uma base de dados com "impacto e relevância" para a investigação de "doenças causadas pela radiação, nomeadamente cancro", adiantou Filipe Ferreira da Silva.

O Biosphere, cuja primeira reunião de trabalho se realiza em novembro, na Alemanha, tem a duração de três anos.

Um bocadinho de gossip por dia, nem sabe o bem que lhe fazia.

Subscreva a newsletter do SAPO Lifestyle.

Os temas mais inspiradores e atuais!

Ative as notificações do SAPO Lifestyle.

Não perca as últimas tendências!

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #SAPOlifestyle nas suas publicações.