Museus, cinemas e ginásios foram autorizados a operar, mas limitados a 75% da sua capacidade.

O regresso à normalidade ocorreu em toda a cidade, exceto num distrito. As escolas reabriram parcialmente, mas retomam a normalidade absoluta em 13 de junho, seguidas pelos jardins de infância, em 20 de junho.

As autoridades realizaram várias rondas de testes em massa e confinaram prédios e complexos residenciais onde foram detetados casos de infeção pelo novo coronavírus.

No conjunto, o surto na capital chinesa, que tem 22 milhões de habitantes, somou 1.800 casos, ao longo de seis semanas.

O Partido Comunista, no poder, continua comprometido com a estratégia de ‘zero casos’ de covid-19, apesar dos crescentes custos económicos e sociais.

Xangai, reconhecida como a “capital” económica da China, com uma população de 25 milhões de pessoas, sofreu um bloqueio total durante dois meses.

A cidade reabriu na semana passada, mas os restaurantes permanecem fechados, exceto para entregas ao domicílio.

Um bairro realizou uma nova ronda de testes, na segunda-feira, depois de encontrar novos casos num complexo residencial, que foi fechado por 14 dias.

Em Pequim e em Xangai, para aceder aos transportes públicos, edifícios de escritórios ou a centros comerciais, é necessário apresentar um resultado de teste negativo feito nas 72 horas anteriores.

Em Xangai, os organizadores decidiram adiar o Festival Internacional de Cinema de Xangai, programado para este mês, para o próximo ano.

Um bocadinho de gossip por dia, nem sabe o bem que lhe fazia.

Subscreva a newsletter do SAPO Lifestyle.

Os temas mais inspiradores e atuais!

Ative as notificações do SAPO Lifestyle.

Não perca as últimas tendências!

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #SAPOlifestyle nas suas publicações.