Em 2013 registaram-se 1.028 mortes por enfarte do miocárdio entre os 12.642 casos nos hospitais, quando no ano anterior tinham morrido 1.129 pessoas em 12.683 casos.

Desde 2009, os óbitos ocorridos no ano passado por enfarte foram os mais baixos, mesmo em anos em que se registaram mais casos nos hospitais.

Quanto aos acidentes vasculares cerebrais (AVC) isquémicos e oclusão das artérias cerebrais, 2013 foi também o ano com menos mortes (2.317) dos últimos cinco analisados no relatório “Doenças Cérebro-Cardiovasculares em Números 2014”, apresentado esta quinta-feira pela Direção-geral da Saúde.

Desde 2009, o número de mortes por AVC isquémico tem-se sempre mantido acima dos 2.300 casos, tendo chegado a registar-se mais de 2.500 mortos num ano.

Relativamente às angioplastias primárias, considerado o tratamento mais adequado para doentes com enfarte do miocárdio, deu-se uma subida de 36% na realização deste procedimento entre 2009 e 2013.

Segundo os especialistas, a quantidade de angioplastia primária é um indicador dos doentes tratados: nos países com uma elevada taxa de angioplastia primária, o número de pacientes não tratados é baixo. Pelo contrário, em países com um baixo uso deste procedimento, o número de pacientes não tratados é alto.

O relatório da DGS analisa ainda a atividade das vias verdes do AVC e coronária (um acesso direto destes doentes aos serviços de saúde para acelerar a prestação de cuidados), considerando que “não houve qualquer alteração na tendência de crescimento dos indicadores”.

Um bocadinho de gossip por dia, nem sabe o bem que lhe fazia.

Subscreva a newsletter do SAPO Lifestyle.

Os temas mais inspiradores e atuais!

Ative as notificações do SAPO Lifestyle.

Não perca as últimas tendências!

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #SAPOlifestyle nas suas publicações.