Se, por um lado, os portugueses voltam a sair à rua e, desta vez, para dezenas de quilómetros de caminhadas e convívio, o número de horas em que o pescoço fica curvado para estar no smartphone também disparou.

O alerta é feito pelo médico ortopedista Luís Teixeira, da associação nacional Spine Matters, que relembra ainda a facilidade de quedas, tropeções, entorses e encontrões com potencial de perigo neste público, prevendo um aumento de lesões nos jogadores mais focados.

Frequentemente reunidos em “módulos” e “ginásios”, jovens (e não só) de todo o país, descrevem alterações significativas nas suas rotinas, que passam inevitavelmente a incluir mais tempo de exercício físico outdoor. Para Luís Teixeira, mentor e presidente da Associação Spine Matters “é positivo que um jogo esteja a colocar, em massa, as pessoas de volta o movimento ao ar livre. Mas é preciso fazê-lo de forma muito mais consciente do meio envolvente: entorses, ossos partidos ou outro tipo de lesões mais graves também fazem parte deste horizonte”, começa por explicar.

Para além do elevado risco de acidente, explicado pela concentração quase exclusiva num ecrã, remetendo para segundo plano o mundo real, já há muito que são conhecidos os perigos do "pescoço de SMS", expressão que em breve poderá ser atualizada para "pescoço de Pokémon Go".

Leia também6 erros comuns que lhe estão a dar cabo das costas

"Os estudos realizados na área revelaram que a força exercida no pescoço de um adulto a olhar para o telemóvel pode variar entre os 12 e os 27 quilos, e sofrer uma inclinação entre 15 a 45 graus. Estamos a falar de uma pressão extrema para esta zona, que pode levar a um desgaste precoce, degeneração e até cirurgias. Ora, se a tendência já existia ao longo do dia, na consulta regular de e-mails e redes sociais, ou envio de SMS, o tempo despendido em torno do jogo fenómeno só veio aumentar os riscos associados a esta exposição", continua o especialista.

Com o intuito de se aproveitarem sobretudo os benefícios de Pokémon Go, minimizando os seus riscos, a Associação Spine Matters recomenda que a caça aos pokémons seja realizada pelo menos a pares, estando sempre um dos elementos encarregue de lembrar o outro de fazerem pequenas paragens ao longo da busca, para um descanso de alguns minutos numa posição correta e de pescoço erguido, que também podem ser aproveitados para realização de alguns exercícios posturais simples.

Por outro lado, o mentor da associação deixa um pedido à Niantic que produza mais jogos que impliquem a prática de exercício físico.

Veja aindaMaior risco da caça aos Pokémons é a fusão entre a a realidade e jogo, alerta psicólogo

Um bocadinho de gossip por dia, nem sabe o bem que lhe fazia.

Subscreva a newsletter do SAPO Lifestyle.

Os temas mais inspiradores e atuais!

Ative as notificações do SAPO Lifestyle.

Não perca as últimas tendências!

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #SAPOlifestyle nas suas publicações.