“Os casos de Guillain-Barré (...) aumentaram cerca de 66%”, afirmou hoje o presidente colombiano, Juan Manuel Santos, a propósito desta síndrome associado ao vírus Zika, depois do anúncio da morte de três pessoas.

No total, foram identificados 25.645 casos de infeção com o vírus Zika, 22.612 casos confirmados e 3.033 suspeitos, de acordo com o Instituto Nacional de Saúde no seu mais recente balanço semanal.

Juan Manuel Santos, no final de uma reunião hoje de manhã com as autoridades de Saúde da Colômbia, sublinhou que nenhum caso de microcefalia fetal tinha sido registado entre as mulheres grávidas contaminadas pelo vírus.

“Não há um único caso de um bebé com microcefalia de mulheres contaminadas com o Zika”, afirmou o presidente colombiano, apelando a um reforço da prevenção contra o vírus, transmitido por mosquitos e para o qual ainda não há vacina.

O Zika provoca sintomas gripais, como febre, dores de cabeça e dores no corpo. Mas é também suspeito de causar, em mulheres grávidas, defeitos congénitos graves no feto, como a microcefalia (redução da circunferência da cabeça, prejudicial ao desenvolvimento intelectual).

Este vírus está também associado à síndrome de Guillain-Barré, uma doença neurológica que pode causar paralisia irreversível.

Um bocadinho de gossip por dia, nem sabe o bem que lhe fazia.

Subscreva a newsletter do SAPO Lifestyle.

Os temas mais inspiradores e atuais!

Ative as notificações do SAPO Lifestyle.

Não perca as últimas tendências!

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #SAPOlifestyle nas suas publicações.