O objetivo do estudo foi procurar perceber qual o método mais eficaz de remoção da amónia - substância nociva presente no sangue - para prevenir lesões neurológicas que resultam da doença e são potencialmente fatais, explica, em comunicado, a Secção Regional do Norte da Ordem dos Médicos (SRNOM).

10 doenças que pode apanhar nos transportes públicos (se não lavar as mãos)
10 doenças que pode apanhar nos transportes públicos (se não lavar as mãos)
Ver artigo

Filipe Sousa Cardoso, especialista em Gastrenterologia do Hospital Curry Cabral – Centro Hospitalar de Lisboa Central, e a sua equipa concluíram que “a técnica contínua foi significativamente mais eficaz a remover a amónia sanguínea e a melhorar a sobrevida dos doentes”.

“Estes resultados sugerem que a utilização atempada deste tipo de tratamento pode ajudar a evitar a morte precoce”, explica o autor.

O médico considera que outra das virtualidades deste projeto é contribuir “para a racionalização dos custos associados à admissão hospitalar destes doentes”, designadamente no que diz respeito “à permanência nos cuidados intensivos ou o potencial transplante de fígado”.

Dos projetos apresentados a concurso, foram distinguidos três com prémios no valor global de 25 mil euros, distribuídos da seguinte forma: 20 mil para o projeto vencedor e cinco mil para duas menções honrosas.

Menções honrosas

As menções honrosas foram atribuídas a Ana Luísa Neves, especialista em Cardiologia Pediátrica do Centro Hospitalar de São João e investigadora e docente na Faculdade de Medicina da Universidade do Porto, relativo ao seu estudo sobre o “Valor do prognóstico de biomarcadores cardíacos nas cardiopatias congénitas” e a Luís Guimarães Pereira, médico anestesiologista do Centro Hospitalar de São João e docente na Faculdade de Medicina da Universidade do Porto, com o trabalho de investigação “Dor crónica pós-operatória após cirurgia cardíaca”.

A cerimónia de entrega de prémios realiza-se hoje às 21:30, no Salão Nobre da Secção Regional do Norte da Ordem dos Médicos, no Porto, e contará com a presença do Bastonário da Ordem dos Médicos.

“O prémio insere-se no objetivo de tentarmos ter alternativas de financiamento para a investigação clínica em Portugal, algo que se tornou possível graças a esta parceria com o Banco Carregosa”, esclareceu o presidente da SRNOM, António Araújo.

Visando em termos gerais promover a investigação clínica em Portugal, o prémio tem como objetivo específico “incentivar os jovens médicos a participar ativamente nestes processos, dado que estão mais sensibilizados para este tipo de questões e a área da investigação pode mesmo constituir-se como uma saída profissional para os novos médicos”, acrescentou.

Para Maria Cândida Rocha e Silva, presidente do Banco Carregosa, “a gratidão da sociedade aos investigadores clínicos e médicos, que dedicam as suas vidas a descobrir formas de tratar ou prevenir doenças, cuidando assim do bem-estar de todos, vai muito para além deste prémio. Mas na medida das nossas possibilidades, o Banco Carregosa quer estar presente, dirigindo uma boa parte da sua responsabilidade social para a área da saúde”.

Um bocadinho de gossip por dia, nem sabe o bem que lhe fazia.

Subscreva a newsletter do SAPO Lifestyle.

Os temas mais inspiradores e atuais!

Ative as notificações do SAPO Lifestyle.

Não perca as últimas tendências!

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #SAPOlifestyle nas suas publicações.