Hipertensão Arterial Pulmonar.

O que é a hipertensão pulmonar?

A Hipertensão Pulmonar é uma situação em que à semelhança da Hipertensão Arterial sistémica se caracteriza por um aumento da pressão sanguínea mas neste caso só ao nível dos vasos dos pulmões. Este facto por sua vez vai dificultar a passagem do sangue do lado direto do coração para os pulmões, exigindo maior esforço ao coração, o que em ultima análise acab por conduzir a insuficiência cardíaca. A Hipertensão Pulmonar não é uma patologia homogénea, é antes um grande saco onde cabem muitas situações patológicas com causas e tratamentos diferentes e que pode complicar a evolução de muitas doenças. O mais comum é a Hipertensão Pulmonar complicar algumas doenças primárias do coração, nomeadamente as doenças do coração esquerdo. Frequentemente a Hipertensão Pulmonar complica também doenças respiratórias ou pulmonares. Importa salientar nesta conversa que a Hipertensão Pulmonar de que aqui vamos falar é a Hipertensão Arterial Pulmonar (HAP) sendo que nesse caso o problema inicial está sobretudo ao nível das artérias dos pulmões. Esta HAP embora menos frequente impacta muito a vida dos doentes afetados.

Focando na Hipertensão Arterial Pulmonar, em que consiste esta forma rara de hipertensão pulmonar?  

A HAP é uma forma rara de Hipertensão Pulmonar e não apresenta sintomas específicos. Estes resultam em grande parte da baixa tolerância ao esforço como cansaço ou falta de ar, ou outros como tosse e, em casos mais graves também sincopes ou perdas de consciência. Em casos mais avançados podem surgir as manifestações de insuficiência cardíaca direita onde se incluem os edemas dos membros inferiores. Estes sintomas são muito inespecíficos e facilmente se confundem com sintomas de outras doenças, ajudando também a explicar os atrasos no diagnóstico.

Quais as causas ou fatores de risco de Hipertensão Arterial Pulmonar? Existem patologias com maior probabilidade de desenvolver Hipertensão Arterial Pulmonar?

Existem algumas doenças que se caracterizam por afetar mais as artérias dos pulmões por exemplo, as doenças do tecido conjuntivo como a esclerodermia. Mas há outro tipo de situações - como doenças do fígado, doenças cardíacas congénitas, doenças hereditárias. Em alguns casos não conseguimos encontrar nenhuma causa ou fator de risco e aí falamos em formas idiopáticas de HAP.

Graça Castro, cardiologista no Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra (CHUC)
Graça Castro, cardiologista no Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra (CHUC)

Como é feito o diagnóstico do doente de Hipertensão Arterial Pulmonar?

O diagnóstico é muitas vezes um caminho longo e difícil em particular quando não é conhecida nenhuma doença que se possa complicar com HAP ou quando não existe história de um familiar afetado. Como referi, os  sintomas são inespecíficos e até comuns, o que torna a suspeita do diagnóstico mais difícil.

O ecocardiograma é um exame determinante nesta fase inicial. Embora não permita ter a certeza do diagnóstico, poderá levantar a suspeita de Hipertensão pulmonar e conduzir á posterior realização de mais exames.

Não chega dizer que temos um doente com Hipertensão Pulmonar, temos de saber de que tipo de Hipertensão Pulmonar se trata uma vez que isso vai determinar  o tipo de tratamento mais indicado  . Para isso é necessário um estudo completo que muitas vezes deve implicar uma avaliação num centro especializado.

Como são tratados os doentes de Hipertensão Arterial Pulmonar? É possível controlar esta doença?

Os doentes com HAP devem ser acompanhados e tratados em centros de tratamento especializados. Em Portugal existem vários centros nomeados pela Direção Geral da Saúde (DGS). A escolha do melhor tratamento para o doente individual depende em grande parte da avaliação do estado evolutivo e da gravidade da doença. A noção sobre o risco de agravamento para insuficiência cardíaca ou morte é determinante na escolha terapêutica.

Hoje dispomos de uma serie de medicamentos passíveis de serem administrados por várias vias - oral, inalatória, endovenosa ou subcutânea- e que permitem escolher o esquema terapêutico mais indicado para cada caso e em cada momento. É possível beneficiar a maioria dos doentes proporcionando - lhes maior  qualidade de vida e sobrevida.

Qual o prognóstico dos doentes de hipertensão arterial pulmonar?

Apesar dos grandes avanços no conhecimento sobre os mecanismos da doença e tratamento, continua a não existir uma cura para a HAP. No entanto é possível na maioria dos casos transformar esta doença tão grave e potencialmente fatal numa doença crónica e controlável com medicação. Encontram-se em investigação novas medicamentos e esquemas terapêuticos com grande potencial para melhorar ainda mais o prognóstico da HAP.

O diagnóstico antecipado pode melhorar o prognóstico e qualidade de vida do doente de hipertensão arterial pulmonar?

Quantos mais precoce o diagnóstico, melhor. Os estudos mostram que quanto mais cedo começarmos o tratamento, maior a sua eficácia e maior a probabilidade de controlar satisfatoriamente a doença.

Na sua opinião, como se pode aumentar a sensibilização e o diagnóstico antecipado da doença?

Diria que a resposta a esta pergunta envolve todos os atores neste processo. Passa pelos centros especializados a nivel hospitalar promovendo formação e sensibilização para a doença a nível dos cuidados de saúde primários, desenvolvendo protocolos em conjunto e fomentando o diagnóstico precoce. Passa pela tutela a quem compete assegurar os recursos humanos e técnicos adequados. E por último passa pela população em geral que deve estar atenta à sua saúde. Cada um de nós tem um papel. As pessoas devem recorrer ao seu médico de família, se sentirem algo que desconhecem ou consideram anormal.