Os novos dados publicados na semana do Dia Mundial contra o Cancro baseiam-se em números de 2015, os mais recentes disponíveis, e revelam um aumento de 8,1 milhões de mortes anuais em 2010 para 8,8 milhões.

Atrás dos tumores do aparelho respiratório (cancro da traqueia, brônquios e pulmão), que causaram 1.695.000 mortes, situam-se os do fígado (788 mil mortes), do colon e reto (774 mil), do estômago (753.600) e da mama (571 mil).

Os seguintes cancros mais mortíferos no mundo são os do esófago (415 mil mortos), do pâncreas (358 mil), da próstata (343.800), dos linfomas (343.500) e da boca e faringe (319 mil).

Em relação às diferenças de género, dos 8,8 milhões de mortos, quase cinco milhões correspondem a homens e 3,8 milhões a mulheres. Concretamente, das 8.764.318 mortes em 2015, 4.982.423 corresponderam a homens e 3.780.895 a mulheres. Os tumores mais mortíferos nos homens foram os do aparelho respiratório (1.174.000 mortes), seguidos dos do fígado: 554 mil óbitos.Para as mulheres, o tipo mais mortal de cancro foi o da mama (570 mil mortes), seguido dos tumores no aparelho respiratório (521 mil).

Conheça esta história: “Nenhuma família devia passar por este inferno”. O drama de ter uma filha com cancro

Veja ainda17 sintomas de cancro que os portugueses ignoram

Leia tambémAs frases que nunca deve dizer a uma pessoa com cancro

Saiba maisAs 10 principais causas de morte em Portugal

Relativamente às regiões do mundo divididas pela OMS, aquela que regista mais casos de cancro é o Pacífico ocidental (onde se situa a China), com 3.074 mil óbitos anuais. Destes, 785 mil eram tumores do aparelho respiratório e outros 488 mil cancros do fígado. Segue-se a região do sudeste asiático, onde se registaram 1.310 mil mortes em 2015: 178 mil no aparelho respiratório, seguidos dos da boca e faringe: 134 mil.

Na região das Américas registaram-se em 2015 cerca de 1.298 mil mortes ligadas ao cancro, dos quais 257.400 tumores do aparelho respiratório e 124.575 do cólon e reto.

Na Europa, os cancros mais letais também são os do aparelho respiratório, com 413 mil óbitos, seguidos dos do colon e reto (261 mil), de um total de 2.101.000 de mortes.

Em África, 530 mil pessoas morreram de cancro em 2015, das quais 60.600 devido ao carcinoma do útero e 55.120 de cancro da mama. O facto de os tumores mais letais em África serem os que apenas afetam as mulheres, faz com que o número de mulheres falecidas por cancro (283.500) seja maior que o dos homens (246.700), o que só acontece nesta região.

Na região do Mediterrânio oriental registaram-se 393 mil mortes em 2015 por cancro, sendo os mais mortíferos os da mama (45 mil) e os do aparelho respiratório (31.800).

Todos os anos são diagnosticados em Portugal 40 a 45 mil novos casos de cancro e morrem entre 20 a 25 mil doentes oncológicos, segundo dados da Sociedade Portuguesa de Oncologia. Atualmente existem 50% de possibilidades de se desenvolver um cancro ao longo da vida, mas estima-se que a incidência vá ainda aumentar.

Um bocadinho de gossip por dia, nem sabe o bem que lhe fazia.

Subscreva a newsletter do SAPO Lifestyle.

Os temas mais inspiradores e atuais!

Ative as notificações do SAPO Lifestyle.

Não perca as últimas tendências!

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #SAPOlifestyle nas suas publicações.