O Município de Leiria aderiu ao projeto "UAS4LITTER", financiado pela Fundação para a Ciência e Tecnologia, que está a ser desenvolvido por investigadores dos centros de investigação do INESC Coimbra, UC-MARE e NOVA.ID_MARE, um dos quais pertencente à Divisão de Planeamento, Ordenamento e Estratégia Territorial do Município de Leiria.

​Praia de Oeiras é a primeira em Portugal com "drone" salva-vidas
​Praia de Oeiras é a primeira em Portugal com "drone" salva-vidas
Ver artigo

Em nota de imprensa, a autarquia liderada por Raul Castro explica que o projeto tem como principal objetivo o desenvolvimento de um sistema integrado de baixo custo (software e hardware), baseado em drones, para o mapeamento de lixo marinho.

Área de teste já definida

Nesta fase, a área alvo de desenvolvimento e teste é entre a praia do Pedrógão e a Figueira da Foz, em três praias com níveis distintos de poluição marinha e pressões de urbanização.

Segundo os responsáveis pela investigação, que será desenvolvida entre outubro deste ano e o mesmo mês de 2021, o projeto irá fornecer uma abordagem integrada para o desenvolvimento de novas ferramentas e métodos para avaliar os níveis de contaminação marinha em zonas costeiras, com o objetivo de reduzir o tempo de procura, monitorização e recolha de lixo marinho.

Esta iniciativa irá também prestar "especial atenção à transferência de conhecimento e à divulgação dos resultados para toda a comunidade, incluindo os cientistas, as empresas, as administrações públicas e a sociedade civil".

O município esclarece que as descobertas resultantes do projeto UAS4Litter serão traduzidas em orientações práticas para o mapeamento e monitorização de lixo marinho em zonas costeiras para uma ampla gama de usuários finais que é crucial para a mitigação da poluição pelo lixo marinho.

Os métodos tradicionais usados na monitorização de lixo marinho em zonas costeiras baseiam-se em contagens visuais (censos) em áreas limitadas, o que consome demasiado tempo e não é eficiente em áreas com maior cobertura.

10 coisas perigosas que põe no lixo (e não devia)
10 coisas perigosas que põe no lixo (e não devia)
Ver artigo

Nesse contexto, os drones oferecem novas oportunidades para a investigação e monitorização ambiental, oferecendo uma plataforma aérea de baixo custo e alta eficiência para a deteção, busca e inspeção autónoma de lixo marinho em áreas costeiras.

A autarquia informa ainda que a quantidade de lixo no ambiente marinho está a crescer exponencialmente, sendo que mais de 80% é constituído por detritos plásticos.

Mais de cinco milhões de toneladas nos oceanos

Estudos recentes estimam que mais de cinco milhões de toneladas poderão entrar no oceano e em áreas costeiras como detritos marinhos, acrescenta a nota de imprensa.

A participação do Município de Leiria neste projeto resulta de um acordo de parceria estabelecido com a Unidade de I&D do Instituto de Engenharia de Sistemas e Computadores de Coimbra.

A vereadora do Planeamento e Ordenamento do Território, Rita Coutinho, citada na nota de imprensa, adianta que a adesão do município a este projeto "representa a possibilidade de obter informação geoespacial com potencial valor também ao nível do planeamento da linha de costa do concelho".

Um bocadinho de gossip por dia, nem sabe o bem que lhe fazia.

Subscreva a newsletter do SAPO Lifestyle.

Os temas mais inspiradores e atuais!

Ative as notificações do SAPO Lifestyle.

Não perca as últimas tendências!

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #SAPOlifestyle nas suas publicações.