“Considerando a necessidade de continuidade das investigações, nos termos solicitados pela Polícia Federal e previstos (…) na lei interna do Supremo Tribunal Federal, prorrogo a presente investigação por mais 60 dias”, decidiu o juiz do STF Alexandre de Moraes em nota declaração datada de 09 de junho.

Durante vários meses, uma comissão parlamentar do Senado brasileiro ficou encarregada de investigar a gestão da pandemia de coronavírus realizada pelo Governo liderado por Jair Bolsonaro.

Nas suas conclusões, a comissão considerou que o Presidente brasileiro havia cometido uma dezena de crimes possíveis, incluindo a divulgação de notícias falsas sobre vacinas, como quando vinculou seu uso à possibilidade de contrair sida (síndrome de imunodeficiência adquirida).

A CPI acusou Bolsonaro, entre outras coisas, de violar medidas de prevenção à saúde, usar fraudulentamente fundos públicos, incitar crimes, falsificar documentação, prevaricação, genocídio contra povos indígenas, crimes contra a humanidade e até charlatanismo por promover medicamentos e remédios fraudulentos contra o coronavírus.

Um bocadinho de gossip por dia, nem sabe o bem que lhe fazia.

Subscreva a newsletter do SAPO Lifestyle.

Os temas mais inspiradores e atuais!

Ative as notificações do SAPO Lifestyle.

Não perca as últimas tendências!

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #SAPOlifestyle nas suas publicações.