"Aguardo resposta. Esta posição foi transmitida ao conselho de administração, na segunda-feira, através de correio eletrónico. Não sei se já foi lida mas é um apelo para que a situação seja resolvida rapidamente porque, a manter-se, pode ser prejudicial para toda a gente: para os profissionais e para os doentes", disse à Lusa Miguel Guimarães.

Para o bastonário da Ordem dos Médicos a separação de circuitos é possível fazer-se porque, afirmou, o Curry Cabral é um "hospital grande e com muito espaço" para separar os "doentes covid" dos doentes "não covid" frisando que a unidade hospitalar desempenha funções específicas.

"Estamos a falar de um serviço que é um dos principais serviços de transplantação do país e da Europa. Tem muitos doentes, por via da transplantação, imunodeprimidos e é fundamental que existam circuitos diferentes dentro do próprio Hospital Curry Cabral, para os doentes que são 'covid' e um circuito completamente independente para os doentes 'não covid', nomeadamente os doentes transplantados e doentes oncológicos", disse.

O bastonário, que já manifestou publicamente a posição da Ordem dos Médicos na quinta-feira, recorda que faz parte das próprias "recomendações" da Direção-Geral da Saúde que existam circuitos diferentes para separar os doentes que estão infetados com o novo coronavírus dos doentes que não estão.

"É o que está a acontecer, por exemplo no Hospital de São João e não faz sentido que no Curry Cabral isso não aconteça", frisa.

"É isso que os médicos (do Centro Hepato-bilio-pancreático) e até os doentes do Curry Cabral estão a pedir. Há uma petição feita por doentes (Grupo de Transplantados do Hospital Curry Cabral), no sentido de que existam áreas diferentes para 'doentes covid' e 'não covid'", afirmou José Miguel Guimarães. 

A Ordem dos Médicos emitiu uma nota na semana passada frisando que os doentes 'não covid' não podem ser deixados "para trás" sendo que a própria Convenção Nacional de Saúde, que representa mais de 150 instituições portuguesas, entre as quais as ordens profissionais, fez uma chamada de atenção no mesmo sentido.

Na quinta-feira, o secretário de Estado da Saúde garantiu que a saída de serviços do Hospital Curry Cabral, em Lisboa, por causa da pandemia da covid-19, só acontecerá “de acordo com a evolução do surto e se vier a ser necessário”.

“Se, obviamente, não vier a ser necessário, manteremos, como é óbvio, os serviços nos respetivos locais onde estão atualmente”, afirmou António Lacerda Sales na conferência de imprensa diária para acompanhamento da pandemia.

Na semana passada,​ o corpo clínico do Centro Hepato-bilio-pancreático e de Transplante do Hospital Curry Cabral demonstrou em carta aberta o apoio ao diretor do Serviço de Cirurgia Geral e Transplantação, Américo Martins, demissionário, em protesto pela não aplicação da proposta dos médicos sobre a criação das áreas isoladas.

 Em Portugal, segundo o balanço feito hoje pela Direção-Geral da Saúde, a pandemia já causou 567 mortos, mais 32 do que na segunda-feira (+6,%), e há 17.448 casos de infeção confirmados, o que representa um aumento de 514 (+3%).

Um bocadinho de gossip por dia, nem sabe o bem que lhe fazia.

Subscreva a newsletter do SAPO Lifestyle.

Os temas mais inspiradores e atuais!

Ative as notificações do SAPO Lifestyle.

Não perca as últimas tendências!

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #SAPOlifestyle nas suas publicações.