Os cientistas homenageados são a bióloga húngara Katalin Karikó; o imunologista americano Drew Weissman; os médicos alemães Ugur Sahin e Ozlem Tureci; o biólogo canadiano Derrick Rossi; a vacinologista britânica Sarah Gilbert; e o bioquímico americano Philip Felgner.

De acordo com a fundação Princesa das Astúrias, eles contribuíram, de forma independente, para “o desenvolvimento de algumas das vacinas aprovadas até à data”.

O júri explicou que todas essas vacinas foram centradas em diferentes estratégias, que têm como “alvo comum” a “proteína S”, que está presente na superfície do vírus e facilita a sua ligação e entrada nas células.

O jurado considera que os vencedores são os protagonistas de “um dos eventos mais notáveis da história da ciência” e o seu trabalho é “um excelente exemplo da importância da ciência básica para a proteção da saúde global”.

O júri conclui que o trabalho dos sete cientistas abre “um caminho de esperança para a sua utilização contra outras doenças”.

Este foi o sétimo dos oito Prémios Princesa das Astúrias deste ano, depois de o galardão para a Comunicação e Humanidades ter sido atribuído à jornalista e escritora norte-americana Gloria Steinem, para as Artes à artista sérvia Marina Abramovic, para as Ciências Sociais ao economista indiano Amartya Sem, para o Desporto à nadadora espanhola Teresa Peralves, para as Letras ao escritor francês Emmanuel Carrère e para a Cooperação Internacional à organização Campanha para a Educação Feminina (CAMFED).

O Prémio Princesa das Astúrias para a Investigação Científica e Técnica foi atribuído em 2020 aos matemáticos Yves Meyer (francês), Ingrid Daubechies (belga e norte-americana), Terence Tao (australiano e norte-americano) e Emmanuel Candès (francês) pelas suas contribuições “pioneiras e de grande alcance às modernas teorias e técnicas de processamento de dados matemáticos e de sinais”.

Em edições anteriores, foram premiados com o mesmo galardão, entre outros, a norte-americana Joanne Chory e a argentina Sandra Myrna Díaz (2019); Svante Paabo (2018); Rainer Weiss, Kip S. Thorne, Barry C. Barish e a Colaboração Científica LIGO (2017); e Hugh Herr (2016).

Os Prémios Princesa das Astúrias distinguem, em termos gerais, o “trabalho científico, técnico, cultural, social e humanitário” realizado por pessoas ou instituições a nível internacional.

O galardão destinado à Investigação Científica e Técnica é atribuído “a trabalhos sobre a criação e desenvolvimento da investigação, descoberta e/ou invenção em matemática, astronomia e astrofísica, física, química, ciências da vida, ciências médicas, ciências da terra e do espaço e ciências tecnológicas”.

Cada prémio consiste numa escultura do pintor e escultor espanhol Joan Miró – símbolo que representa o galardão -, 50.000 euros, um diploma e uma insígnia, que, até 2019, foi entregue numa cerimónia solene presidida pelo rei de Espanha, Felipe VI, no teatro Campoamor, em Oviedo.

FPB

Um bocadinho de gossip por dia, nem sabe o bem que lhe fazia.

Subscreva a newsletter do SAPO Lifestyle.

Os temas mais inspiradores e atuais!

Ative as notificações do SAPO Lifestyle.

Não perca as últimas tendências!

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #SAPOlifestyle nas suas publicações.