“As normas ignoram completamente o desporto para deficientes, a maioria das quais estão em grupos de risco”, afirmou o presidente do CPP, José Lourenço, à agência Lusa, lamentando que o documento divulgado na terça-feira pela DGS “não faça qualquer menção ao desporto adaptado”.

José Lourenço lembrou que as normas que agrupam as várias modalidades tendo em conta o risco de contágio do novo coronavírus não consideram qualquer modalidade adaptada, dando como exemplo o boccia, o goalball e o râguebi em cadeira de rodas, que estão sob a alçada da Federação Portuguesa para Pessoas com Deficiência.

O presidente do CPP entende também que o documento “não é nada explícito” no que se refere às modalidades que estão sob a alçada das federações de modalidade.

“O andebol ou o basquetebol em cadeira de rodas são, naturalmente, diferentes da modalidade praticada por pessoas sem deficiência”, afirma, reiterando: “Não há preocupação ao grupo de risco que são as pessoas com deficiência.”

O líder do movimento paralímpico considerou que, além de não responderem às necessidades do desporto, as normas “colocam em causa a viabilidade do próprio desporto, porque as camadas jovens e de formação não são contempladas”.

“Admitimos que possam existir muitos atletas que vão deixar a prática desportiva e trocá-la por outras atividades”, afirmou, lembrando que “no desporto para pessoas com deficiência o recrutamento é muito difícil”.

José Lourenço alertou também para o problema dos custos dos testes à COVID-19, previstos pela norma, em função do grupo de risco no qual a modalidade se encontre inserida.

“Não foram dados apoios extra e agora os clubes e associações ainda se veem confrontados com os custos elevados, tendo em contra a cadência de testes que é expectável que se faça”, sublinhou, lembrando que o “movimento associativo é feito, na sua maioria, de gente voluntária”.

Perante o que considera ser “um documento que não responde às necessidades”, o CPP defende uma “classificação urgente da norma” e a “criação de uma linha de apoio que permita que os clubes possam assegurar os testes, sem nunca descurarem a saúde”.

A DGS atualizou na terça-feira ss normas para a retoma das competições de modalidades desportivas coletivas, incluindo o râguebi e os desportos de contacto no grupo de alto risco.

A atualização das normas permite a retoma de modalidades como o futebol não profissional, andebol, futsal, basquetebol, voleibol e hóquei em patins, encarregando as federações e os clubes de avaliarem o risco de contágio de COVID-19 e de “elaborar um regulamento específico para a prática desportiva, em contexto de treino e em contexto competitivo, de acordo com a estratificação de risco da modalidade”.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Lifestyle diariamente no seu email.

Notificações

Os temas mais inspiradores e atuais estão nas notificações do SAPO Lifestyle.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.