“Os hospitais do Serviço Nacional de Saúde têm pressões diferentes. Em alguns hospitais a pressão [dos doentes com covid-19 que precisam de internamento] é mais acentuada e há uma primazia dada aos cuidados covid, que em outros hospitais pode ser dada à resposta programada”, afirmou à agência Lusa Eduardo Castela, dirigente da Associação Portuguesa de Administradores Hospitalares.

O Ministério da Saúde determinou que os hospitais do Serviço Nacional de Saúde (SNS) podem suspender durante o mês de novembro a atividade assistencial não urgente, segundo um despacho da ministra da Saúde.

O despacho diz que os hospitais do SNS podem suspender durante o mês de novembro a atividade assistencial “que, pela sua natureza ou prioridade clínica, não implique risco de vida para os utentes, limitação do seu prognóstico e/ou limitação de acesso a tratamentos periódicos ou de vigilância”.

Refere ainda que “compete às Administrações Regionais de Saúde, I.P. (ARS, I.P.) assegurar a coordenação da utilização da capacidade instalada nos hospitais da sua área geográfica e, sempre que necessário, tomar as medidas adequadas à articulação inter-regional, sem prejuízo das competências atribuídas a outras entidades”.

Eduardo Castela considerou que “essa articulação é fundamental dentro do SNS”, defendendo que “deve manter-se” e exercer-se “à medida que os recursos se vão consumindo para resposta à covid-19”.

“Esta resposta tem que ser dada num sistema dual, com flexibilidade das respostas para a doença covid, medindo e avaliando o impacto da doença nos hospitais do SNS”, afirmou, salientando que é preciso “garantir a resposta aos doentes não covid”.

Notificações

Os temas mais inspiradores e atuais estão nas notificações do SAPO Lifestyle.