Segundo a informação hoje prestada, desde o dia 04 de novembro de 2019 foram realizados 318 exames laboratoriais, sendo que 60 deram positivo para gripe.

"Este ano e até agora, o número é menor, o que pode significar que o pico da gripe ainda não está aí. Nós é que estamos já com alguma antecedência a precaver-nos para essa situação", explicou João Casteleiro, presidente daquela unidade de saúde, que abrange os concelhos da Covilhã, Fundão e Belmonte, no distrito de Castelo Branco.

Casteleiro adiantou que, ao dia de hoje, registam-se cinco internamentos por gripe, com todos os doentes clinicamente estáveis.

Em conferência de imprensa realizada com o objetivo de deixar algumas recomendações aos utentes, João Casteleiro adiantou que os utentes internados até agora estão "clinicamente estáveis" e que os casos confirmados de gripe sazonal são principalmente do "tipo B", havendo também algumas situações de "gripe A".

João Casteleiro explicou ainda que o plano de contingência de inverno foi acionado no dia 03 de janeiro com o objetivo de criar melhores condições de resposta para os utentes e para ajudar a minimizar os impactos do vírus.

A iniciativa levou já ao reforço da equipa da Urgência, designadamente com um médico do Agrupamento de Centros de Saúde (ACeS) da Cova da Beira.

O número de camas destinadas aos doentes com infeções respiratórias também aumentou e, no serviço de Urgência, os doentes com sintomas de gripe são separados dos restantes, de modo a evitar o contágio.

Atualmente na "fase um", o plano de contingência para a gripe contempla outras fases, que preveem o alargamento das medidas e até a possibilidade de se adiarem consultas não urgentes ou cirurgias programadas - o que se acontecerá em caso de necessidade, sublinhou Ricardo Costa, diretor do Serviço de Urgência.

Aqueles responsáveis reiteraram ainda a importância de os utentes recorrerem à Linha Saúde 24 ou aos centros de saúde, antes da deslocação ao hospital, o que reduz as possibilidades de contágio e propagação e evita o aumento dos tempos de espera.

Outra das vantagens passa pela prioridade que é dada a utentes que tenham sido encaminhados pelos serviços de triagem ou centros de saúde.

Os médicos também lembram que as visitas constantes aos internados são um fator de risco para os próprios e para os doentes.

A necessidade da prevenção e da vacinação foi igualmente vincada, sendo que, segundo dos dados do ACeS da Cova da Beira, entre os centros de Saúde de Belmonte, Covilhã e Fundão, foram administradas cerca de 15 mil vacinas, 14.300 das quais a pessoas com mais de 65 anos e aos grupos de risco.

"Isto significa que mais de 50% da população com mais de 65 anos ficou vacinada contra a gripe", sublinhou Manuel Geraldes, diretor do ACeS da Cova da Beira.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Lifestyle diariamente no seu email.

Notificações

Os temas mais inspiradores e atuais estão nas notificações do SAPO Lifestyle.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.