Esse número é baseado no tempo necessário para aprovar, em diferentes países, os medicamentos recentes para tratar o cancro do pulmão e o da próstata, uma vez autorizados nos Estados Unidos.

O estudo, que não foi revisto de forma independente, foi publicado pela Harvard Business Review.

Os autores do artigo, entre eles o oncologista americano Bobby Daly, analisaram dois medicamentos contra diferentes tipos de cancro.

Um deles é o pembrolizumab, um tratamento eficaz para a maioria dos casos de cancro de pulmão, aprovado em 2016 pela agência responsável pelos setores de alimentos e fármacos nos Estados Unidos, a FDA (na sigla em inglês).

O outro é o enzalutamida, para combater o cancro da próstata, o segundo mais diagnosticado no mundo entre os homens.

Esse medicamento foi aprovado nos Estados Unidos em 2012, mas a China, por exemplo, levou sete anos a autorizá-lo, em parte por causa da cobrança de novos testes.

A partir desses dois casos, os investigadores calcularam que, a cada ano, a FDA aprova cerca de sete medicamentos contra o cancro que, se autorizados rapidamente no restante do mundo, reduziriam o número de mortes relacionadas à doença para entre 10% e 20%.

Isso representa aproximadamente 1,5 milhões de pessoas.

"É difícil constatar que, quando um medicamento é aprovado nos Estados Unidos, passam-se anos até que eu possa prescrevê-lo para os meus pacientes", disse à AFP Mary Gospodarowicz, membro da Bloomberg New Economy International Cancer Coalition.

Veja ainda: Os sintomas de cancro mais ignorados pelos portugueses

Um bocadinho de gossip por dia, nem sabe o bem que lhe fazia.

Subscreva a newsletter do SAPO Lifestyle.

Os temas mais inspiradores e atuais!

Ative as notificações do SAPO Lifestyle.

Não perca as últimas tendências!

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #SAPOlifestyle nas suas publicações.