A investigadora do Centro de Trauma da Universidade de Coimbra e estudante de doutoramento da Faculdade de Psicologia Joana Becker está a realizar trabalho no terreno, junto de bombeiros que participaram no combate às chamas em 2017, nomeadamente no grande incêndio de Pedrógão Grande.

Stress pós-traumático: o que é?

A Perturbação de Stress Pós-Traumático (PTSD ) caracteriza-se por pensamentos intrusivos, pesadelos ou flashbacks de um evento traumático passado. É caracterizada ainda pelo evitamento de estímulos que despoletem memórias associadas ao evento traumático, assim como por um estado de hipervigilância e alterações do sono. No conjunto, esta perturbação causa sofrimento considerável e disfunção social, profissional e interpessoal.

Pode saber mais mais sobre Stress pós-traumático neste artigo dos médicos Margarida Albuquerque, Miguel Costa e Pedro Cintra, psiquiatras do Departamento de Saúde Mental do Hospital de Cascais.

Dos 32 questionários respondidos nas corporações de bombeiros de Castelo Branco, Cernache do Bonjardim (Sertã) e Pampilhosa da Serra, a investigadora identificou 23 bombeiros que "apresentam sinais de stress pós-traumático".

Os resultados dos questionários que já elaborou mostram uma "prevalência elevada" dos sinais de stress pós-traumático, acrescenta.

Alargar questionário a outras corpotações

Depois de ter realizado um mestrado em torno do stress pós-traumático em veteranos da guerra colonial, Joana Becker está a desenvolver uma tese de doutoramento sobre o impacto da psicoterapia dinâmica (identifica e aborda emoções e processos inconscientes que resultam numa ampla gama de sintomas, como depressão, ansiedade e somatização) em bombeiros com sinais de stress.

O trabalho no terreno começou em abril, sendo que, para além de aplicar questionários, está a fazer consultas de psicoterapia uma a duas vezes por semana nas corporações de bombeiros de Cernache do Bonjardim e de Castelo Branco.

Até ao final deste ano, a investigadora pretende aplicar os questionários a 250 bombeiros da região Centro e, em 2019, pretende fazer atendimento em mais uma ou duas corporações da região Centro.

"Os bombeiros trabalharam muitas horas sem descanso e viram pessoas em sofrimento, que perderam tudo", disse à agência Lusa a investigadora, realçando o sentimento de impotência perante o descontrolo das chamas, a sua gravidade e extensão.

De acordo com Joana Becker, a maioria apresenta perturbação do sono, assim como stress e ansiedade ao se recordarem ou relatarem determinada situação no combate ao fogo, para além de haver um "sentimento de culpa, que é muito comum no caso de bombeiros". "Os bombeiros estão acostumados aos incêndios florestais, mas este foi um fogo anormal", vincou.

Os bombeiros "têm uma profissão de risco e deveria haver uma atenção maior sobre o tratamento. Acho muito positivo a forma como os bombeiros e os comandantes viram o meu trabalho. Estão mais abertos para ouvir uma psicóloga e nota-se que se está a perder esse preconceito", sublinhou a investigadora do Centro de Trauma.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Lifestyle diariamente no seu email.

Notificações

Os temas mais inspiradores e atuais estão nas notificações do SAPO Lifestyle.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.