Os dados foram divulgados pelo Ministro da Saúde, Luís Gomes Sambo, em conferência de imprensa, que serviu para radiografar o estado do setor.

Sublinhando que Angola é um país vulnerável a epidemias, Luís Gomes Sambo fez referência ao surto de febre-amarela também registado em 2016, com um saldo de 384 óbitos, de um total de 4.599 casos suspeitos, dos quais 884 foram confirmados laboratorialmente, afetando 16 províncias angolanas.

"Também enfrentamos uma epidemia de paludismo, que foi das piores que conheci no nosso país, registámos cerca de 3,3 milhões de casos, em 2015, com 7.000 óbitos, e em 2016 registámos 4,276 milhões de casos, com 15 mil óbitos registados. Foi de facto um drama no nosso país, e foram tomadas as medidas para controlarmos as duas epidemias", disse o ministro.

Veja ainda: 22 doenças muito misteriosas

Saiba mais: 15 doenças que ainda não têm cura

Conheça também: Os 12 vírus mais perigosos do mundo

O titular da pasta da Saúde angolano frisou que atualmente o país enfrenta uma epidemia de cólera, que atingiu até ao momento as províncias do Zaire, Cabinda e Luanda.

Segundo o ministro, estão registados um total de 252 casos de cólera, que causou a morte de 11 pessoas. "Temos a prevenção da cólera, que se relaciona sobretudo com o consumo de água imprópria, precisamos de melhorar a qualidade de água de consumo da nossa população e também de educarmos ainda mais a população para que tome as medidas de higiene para que a água de consumo seja de qualidade", acrescentou.

Um bocadinho de gossip por dia, nem sabe o bem que lhe fazia.

Subscreva a newsletter do SAPO Lifestyle.

Os temas mais inspiradores e atuais!

Ative as notificações do SAPO Lifestyle.

Não perca as últimas tendências!

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #SAPOlifestyle nas suas publicações.