Isto significa que as pessoas com essa variante genética, que parece estar ligada a um maior risco de excesso de peso, não estão necessariamente condenadas a permanecer assim, de acordo com uma meta-análise publicada na revista médica British Medical Journal (BMJ).

"Indivíduos portadores (da variante) respondem igualmente bem a intervenções para a perda de peso à base de dieta, atividade física ou medicamentos", escreveram os autores do artigo baseado na revisão de oito estudos envolvendo cerca de 10.000 pessoas. Isto significa que a predisposição genética para a obesidade "pode ​​ser pelo menos parcialmente neutralizada por meio de tais intervenções".

Cientistas já tinham demonstrado a associação entre uma variante do gene FTO e o excesso de gordura corporal, mas pouco ou nada se sabe em concreto sobre o funcionamento desse vínculo.

Conheça mais15 alimentos que ativam o seu gene magro

Veja ainda17 formas de controlar o peso quando tem pouco tempo

Saiba isto25 truques inimagináveis para perder peso

Leia tambémArya vive em permanente risco de vida. Com 10 anos pesa 188 quilos

Em 2014, segundo a Organização Mundial dae Saúde, mais de 1,9 mil milhões de adultos em todo o mundo tinham excesso de peso. Destes, mais de 600 milhões eram obesos.

O excesso de peso está associado a uma maior predisposição para doenças cardíacas, cancro e acidente vascular cerebral.

Comentando a última investigação, a nutricionista chefe da agência de Saúde Pública da Inglaterra, Alison Tedstone, disse que as causas da epidemia de obesidade podem ter pouco a ver com genes. O estudo acrescenta evidências que "sugerem que fatores ambientais podem ser dominantes sobre os genes comuns ligados à obesidade".

Um bocadinho de gossip por dia, nem sabe o bem que lhe fazia.

Subscreva a newsletter do SAPO Lifestyle.

Os temas mais inspiradores e atuais!

Ative as notificações do SAPO Lifestyle.

Não perca as últimas tendências!

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #SAPOlifestyle nas suas publicações.