O GAT (Grupo de Ativistas em Tratamento), em parceria com a AIDS Healthcare Foundation (AHF) e a Câmara Municipal de Almada, vai distribuir cerca de 20 mil preservativos no dia 13 de fevereiro, para assinalar o Dia Internacional do Preservativo. Sob o lema “Sempre na Moda”, a campanha pretende alertar para a importância do uso do preservativo, o meio mais eficaz na prevenção da infeção pelo VIH e outras infecções sexualmente transmissíveis.

Quem inventou o preservativo? Conheça 12 curiosidades sobre a medicina
Quem inventou o preservativo? Conheça 12 curiosidades sobre a medicina
Ver artigo

Durante todo o dia, duas tendas e duas unidades móveis do GAT vão ocupar a Praça São João Batista, em Almada, com várias atividades e realização de rastreios gratuitos e anónimos ao VIH, hepatites virais e sífilis. Serão também distribuídos balões em forma de coração e material informativo sobre a importância da utilização dos preservativos, demonstrando que estes fazem parte de uma estratégia de prevenção mais alargada com outras ferramentas, como o teste, a PrEP e a PPE.

Ao final dos dia, pelas 17 horas, as duas unidades móveis do GAT – a carrinha LOVE Condom e a MOVE-SE, assim como o grupo de voluntários que irá distribuir os preservativos, deslocam-se até à estação de Cacilhas para impactar os muitos passageiros que àquela hora regressam a casa.

"Com esta campanha, queremos reforçar a importância do preservativo como um objeto normal de prevenção. É importante relembrar que a infeção do VIH e outras infeções sexualmente transmissíveis não são coisa do passado, são problemas reais, que persistem no presente. O preservativo não é novidade, mas continua a ser um dos meios de prevenção mais eficaz e, por isso, continua a estar na moda", explica Ricardo Fernandes, diretor executivo do GAT.

Segundo o Programa Conjunto das Nações Unidas para o HIV/SIDA estima-se que, em todo o mundo, 45 milhões de infecções pelo VIH tenham sido evitadas graças ao uso do preservativo desde 1990. Se se atingir a meta de distribuição global de preservativos até 2020, evitar-se-ão 3,4 milhões de novas infecções. O custo por infeção evitada seria de aproximadamente 450 dólares, bem abaixo do custo com a oferta do tratamento antirretroviral.

As 8 doenças sexualmente transmissíveis mais perigosas (e fáceis de apanhar)
As 8 doenças sexualmente transmissíveis mais perigosas (e fáceis de apanhar)
Ver artigo

Segundo o estudo "Atitudes e Comportamentos da População Portuguesa face ao VIH" (2015), somente cerca de 19% dos inquiridos utiliza sempre preservativo nas suas relações sexuais.

Quase 10% das pessoas concordaria também em ter relações sexuais com um novo parceiro sem utilizar o preservativo e 16% acredita que o material do preservativo não é suficientemente forte para prevenir o VIH. De notar que 76% dos não teve acesso gratuito a preservativos no ano anterior ao inquérito.

De acordo com o estudo "Vida Sem Sida", publicado em 2018 pela Universidade de Lisboa, um terço dos infetados pelo VIH/SIDA tem menos de 30 anos. Cerca de 97% dos jovens portugueses entre os 18 e os 24 anos estão genericamente bem informados relativamente à importância do preservativo, mas mais de 60% assumem ter relações sem o seu uso.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Lifestyle diariamente no seu email.

Notificações

Os temas mais inspiradores e atuais estão nas notificações do SAPO Lifestyle.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.