Com o passar dos anos, a ortodontia tem evoluído significativamente, deixando cada vez mais os aparelhos ortodônticos de estar associados apenas a problemas relacionados com o alinhamento dos dentes. Atualmente, além do seu papel fundamental para corrigir a posição dos maxilares, os aparelhos podem também, por exemplo ajudar a recuperar a eficiência mastigatória, bem como podem ser um complemento a outros procedimentos e tratamentos dentários.

Com um tempo médio de utilização de dois anos, existem diferentes tipos de aparelho: o aparelho removível, que por norma é utilizado em crianças na fase de crescimento até aos 12 anos e que atua no desenvolvimento ósseo dos pacientes. O aparelho ortodôntico fixo, o mais convencional que por norma é recomendado a adolescentes e adultos, consistindo na colocação de brackets que se colam nos dentes e aos quais é aplicado um arco de arame. O aparelho autoligado, um aparelho que tem por base materiais transparentes, de forma a ser o menos percetível possível, e que substitui os elásticos que fixam cada peça ao fio metálico, sendo desta forma mais discreto e menos doloroso. Por fim, os aparelhos invisíveis, a opção mais recente em termos de aparelhos ortodônticos e que consiste no uso de moldeiras transparentes que, ao encaixarem nos dentes, fazem a pressão necessária para que estes fiquem na posição correta.

Cada caso é um caso e, consoante as necessidades de cada paciente, podem ser sugeridos diferentes tipos de aparelho. Nesse sentido e para corresponder às expectativas de ambas as partes, deve ser avaliar-se previamente qual o tipo de tratamento mais eficaz, de forma a causar o mínimo de desconforto aos pacientes e resultados mais rápidos.

Contudo, o sucesso destes tratamentos não depende apenas dos médicos dentistas, mas também dos hábitos e rotinas dos pacientes. Neste sentido, existem alguns alimentos que devem ser evitados, como alimentos mal cozinhados, frutas rijas e refrigerantes gaseificados, uma vez que podem não só prejudicar a estrutura do aparelho, como comprometer a eficácia do tratamento. Após as principais refeições, é recomendado que os pacientes escovem sempre os dentes, utilizando pasta fluoretada e uma escova ortodôntica, como forma de evitar a retenção de placa bacteriana.

É também importante salientar que os tratamentos ortodônticos não terminam após a retirada do aparelho dentário. É altamente aconselhável que os pacientes utilizem a contenção removível, consoante a indicação do seu médico dentista. Os dentes têm memória e a tendência é que regressem ao seu local inicial e, desta forma, será possível prevenir o processo volte ao inicio.

Tradicionalmente, a utilização de aparelho é muito associada à aparência e autoestima. No entanto, hoje em dia, compreende-se que o papel de um aparelho ortodôntico vai além da estética dos dentes e que pode mesmo ajudar a prevenir outras condições. Problemas na respiração, fala, mastigação, dores de cabeça, dores de pescoço, entre outras, podem estar a ser agravados devido a má oclusão e com a evolução da ortodontia conseguimos compreender que os aparelhos têm um papel fundamental na saúde oral.

Um artigo de Joana Henriques, Médica Dentista na MALO CLINIC Lisboa.

Um bocadinho de gossip por dia, nem sabe o bem que lhe fazia.

Subscreva a newsletter do SAPO Lifestyle.

Os temas mais inspiradores e atuais!

Ative as notificações do SAPO Lifestyle.

Não perca as últimas tendências!

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #SAPOlifestyle nas suas publicações.