O nosso corpo acompanha ciclos ou ritmos naturais, ou pelo menos deveria acontecer assim. O nosso ciclo de sono, sonho, acordado é ou deveria ser uma harmonia natural.

Tal como a Terra gira em volta do seu eixo a cada 24h e leva 365 dias para descrever o seu trajeto à volta do sol, a lua leva entre 28 a 29 dias a girar em volta da Terra, também o ser humano deverá viver de acordo com o seu ritmo natural, inserido neste meio cósmico regulador de todos os ritmos.

Só recentemente a ciência moderna começou a reconhecer até onde estes ciclos cósmicos têm uma equivalência na fisiologia de cada ser humano. Um exemplo disso, é a forma como a depressão clínica é influenciada pela mudança das estações do ano e até mesmo pelos diferentes períodos do dia.

Para desfrutarmos de um sono perfeito, é fundamental compreendermos até onde a nossa experiência interna é influenciada pelo ritmo que nos cerca. Ou seja, o ritmo biológico interior que cada um percebe como seu, é uma expressão externa da natureza.

Quantas pessoas se “deixam influenciar” de forma mais tristonha ou menos alegre, por um dia cinzento e chuvoso?

Talvez outros de nós, não de forma contínua, se identifiquem com estes dias como uma forma de apaziguar o seu estado agitado e necessidade de ação, estimulado pelo sol.

Também não é por acaso que a maioria de nós dorme durante a noite e circula e trabalha durante o dia. A vida está pensada desta forma, porque os ritmos naturais assim o definem até hoje.

Os ritmos externos e internos são apenas duas expressões dos próprios ciclos naturais, que se apresentam cuidadosamente ordenados.

Do ponto de vista da influência destes ciclos naturais na nossa vida diária, os cientistas chamam-lhe ritmo circadiano. Este consiste no padrão dos ciclos biológicos que se repetem a intervalos de aproximadamente 24horas.

Muitos dos sinais vitais do nosso corpo regem-se pelo ritmo circadiano, isto é, as funções neurológicas e endócrinas, bem como como as flutuações de temperatura, a produção de hormonas e enzimas e o ciclo sono /estado de alerta.

Se os nossos pacificadores internos não forem reajustados de forma regular, começarão a orientar-se no sentido de uma programação cada vez mais distanciada do que o mundo considera serem horas regulares. Ou seja, passar a tomar o pequeno almoço à meia-noite e deitarmo-nos ao amanhecer.

Se explorarmos as causas fundamentais, as irregularidades no relógio biológico interno revelam ser as causas mais importantes da insónia

Um dos fatores que veio influenciar a alteração dos nossos ritmos naturais, foi a introdução de luz elétrica nas casas, afastando-nos do nosso conceito natural de dia e noite.

O efeito benéfico da luz elétrica para manter-nos uma vida noturna em segurança, com luz, transformou-se por outro lado numa forma de dormirmos menos e pior, acrescido nos dias de hoje pela utilização excessiva de ecrãs que tantos dispositivos nos facultam.

É então necessário restabelecer a harmonia.

Segundo o Ayurveda, a irregularidade e a instabilidade são característcas do dosha Vata. A crescente divergência entre as nossas rotinas diárias e e os ritmos naturais da vida são cruciais na produção de sensação de instabilidade decorrente do desequilíbrio deste dosha Vata.

Se a qualidade do sono se tornou uma preocupação, teremos que aprender a harmonizar novamente o ritmo do corpo com os ciclos naturais que nos cercam. Os ritmos da natureza ainda existem e afirmam a sua força. Ou seja, o sol continua a nascer e pôr-se, o fluxo das marés continuam a existir e estes fenómenos continuam poderosos e a exercer uma enorme influência nos seres humanos.

Reajustar o nosso relógio biológico ao nosso funcionamento regular e ordenado com os ritmos da natureza é fundamental para contornarmos a questão da insónia, que a tantos de nós incomoda.

Segundo o Ayurveda, existe um horário de acordo com os ritmos e ciclos da natureza e elementos naturais (ar, éter, fogo, água e terra, de onde se formam os nossos doshas e , onde o ser humano se integra.

Num primeiro ciclo do dia, o dosha Kapha (água e terra) predomina entre as 6h e as 10h da manhã, o dosha Pitta (fogo e água), manifesta a sua força entre as 10h e as 14h, e o dosha Vata (ar e éter- espaço circundante), manifesta-se entre as 14h e a 18h.

No segundo ciclo do dia, kapha predomina entre as 18h e as 22h, Pitta entre as 22h e as 2h da manhã e vata, manifesta-se com maior intensidade entre as 2h e as 6h da manhã.

Um dos aspetos mais importantes de uma vivência em sintonia com a natureza é o respeito destes ciclos dominantes que sustentam a nossa existência física. Cada um de nós deverá decidir o que prefere para a sua vida. ...

Conseguir dormir ou “querer” ficar acordado? Harmonia ou desarmonia?

Texto: Brahmi Wellness

Notificações

Os temas mais inspiradores e atuais estão nas notificações do SAPO Lifestyle.