A 19 e 20 de novembro, o Basque Culinary Center e o Fruto, plataforma de ligação entre organizações, empresas, sociedade civil, envolvidos em soluções na produção de alimentos bons, justos e limpos, realizam um evento que pretende refletir sobre o impacto da gastronomia na sustentabilidade. Paralelamente, há o objetivo de envolver as novas gerações nas transformações necessárias.

“Em tempos de profunda mudança, as instituições deparam-se com a necessidade de falar sobre sustentabilidade e de ligar o setor da gastronomia a algumas das realidades ambientais, económicas e sociais que estão no nosso horizonte, lado a lado com especialistas internacionais, e através de uma dinâmica estimulante, voltada para a ação”, lemos no comunicado de apresentação da iniciativa.

Dia da Gastronomia Sustentável: “Antes de pensarmos em produzir mais, devemos pensar em exigir menos do planeta Terra”
Dia da Gastronomia Sustentável: “Antes de pensarmos em produzir mais, devemos pensar em exigir menos do planeta Terra”
Ver artigo

Com o objetivo de trocar experiências, partilhar conhecimentos e desenvolver ferramentas de trabalho, os dois dias de evento online serão abertos ao público. “O objetivo é  consciencializar, de forma coletiva, o impacto que pode ter a gastronomia quando se entende o poder transformador dos alimentos, e o que isso implica em termos de desenvolvimento sustentável, nos tempos atuais”.

Através de palestras, workshops e dinâmicas participativas, a Jornada de Sustentabilidade de San Sebastián envolve profissionais do setor e pessoas sensíveis a estes debates, mas sobretudo, apela a que os jovens de hoje, sejam chamados a fazer parte da mudança, quer na forma de produção e quer na forma de consumo.

“Precisamos de mudar a relação do ser humano com o alimento. Mesmo que nos custe a acreditar, bastarão somente algumas décadas para vermos consumado um problema de proporções importantes e com enormes efeitos nas nossas vidas. O papel das cozinheiras e cozinheiros, como dos que integram a cadeia de valor deste setor, é cada vez mais evidente e necessário: é urgente que adotemos ações sustentáveis e que entendamos que os alimentos são fonte de saúde, mas também de conhecimento, história e cultura. Envolver e dar voz às novas gerações é fundamental”, afirma o brasileiro Alex Atala.

Pequenas alterações na alimentação também acarinham este nosso planeta. E é tão simples
créditos: Louis Hansel @shotsoflouis/Unsplash

O chefe de cozinha do restaurante D.O.M encabeça um elenco de oradores, que inclui os cozinheiros Douglas McMaster (Silo, UK), Matt Orlando (Amass, Dinamarca), Tracy Chang (Pagu, EUA), Selassie Atadika (Midunu, Gana), Oliver Holt (Kitchen Farming Project, EUA) e Jaime Rodríguez (proyecto Caribe, Colômbia); além de profissionais interdisciplinares, como o etno-botânico Miles Irvin (UK), a ativista Chido Govera (Zimbabué), a designer Elsa Yranzo (Espanha), a arquiteta Carolyn Steel (UK); a ambientalista ‘millenial’ Camille Etienne, Pamela Coke-Hamilton (International Trade Centre), entre muitos outros.

Terras de Cascais presente no evento

Portugal marca presença com o projeto de agricultura urbana biológica Terras de Cascais (com o objetivo de incentivar e criar as condições para a produção biológica em hortas municipais, comunitárias e privadas), no dia 20 de novembro, às 13h30. Luís Almeida Capão fará uma intervenção no painel “O Alimento como força transformadora: hortas urbanas, cidadãos e produtos locais”.

“Não há planeta B, mas consumimos como se o amanhã não existisse” - ambientalista Carmen Lima
“Não há planeta B, mas consumimos como se o amanhã não existisse” - ambientalista Carmen Lima
Ver artigo

Engenheiro florestal de formação, na sua qualidade de presidente do Conselho de Administração da empresa municipal Cascais Ambiente, abordará a estratégia de Cascais em pontos como a gestão da estrutura ecológica, a adaptação às alterações climáticas e a agricultura urbana biológica – questões fundamentais num concelho que se quer próximo do cidadão.

As mesmas preocupações são partilhadas por Joxe Mari Aizega, director do Basque Culinary Center, no país vizinho. “Num ano tão singular como está a ser 2020, não podemos perder de vista o debate da sustentabilidade. Pelo contrário - devemos inseri-lo num contexto complexo e exigente, frente ao qual a gastronomia pode participar ativa e criativamente em processos de transformação inevitáveis”, afirma Joxe Mari Aizega, diretor do Basque Culinary Center, chamado a analisar, com esta conferência, as formas de “reduzir, reparar, recuperar, reutilizar e reciclar, mas também de repensar e reimaginar modelos de interação com a comida”.

Um mundo de desperdício. Entregamos ao lixo mais de mil milhões de toneladas de alimentos por ano

O programa abordará temas de economia circular, biodiversidade, utilização eficiente de recursos, food design, consumo, organização social, hortas e hortas urbanas, cozinha sem desperdício, cozinha de combate, ativismo, políticas públicas, entre outros.

“Este evento foca-se na geração atual, mas sobretudo nas novas gerações - de cozinheiros e agentes de todo o sistema alimentar, destacando o valor do alimento nas relações humanas, de uma perspectiva interdisciplinar e do ponto de vista ambiental, cultural, social, político e de saúde. No fundo, afirmando a gastronomia como uma importante ferramenta de transformação”, aponta Felipe Ribenboim, co-criador do Fruto/diálogos do alimento.

Na sua 9a edição, a Jornada de Sustentabilidade de San Sebastián resulta da cooperação entre Basque Culinary Center (centro de formação e inovação implantado em San Sebastián) e Fruto, plataforma criada pelo chefe de cozinha brasileiro Alex Atala e Felipe Ribenboim para impulsionar diálogos globais em torno do alimento. Com o patrocínio da Diputación Foral de Gipuzkoa e o apoio de Aquanaria e Mahou-San Miguel.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Lifestyle diariamente no seu email.

Notificações

Os temas mais inspiradores e atuais estão nas notificações do SAPO Lifestyle.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.