É a 1910, ano de grata memória para os republicanos portugueses, que se atribui a abertura de uma casa que, volvidos 119 anos, mantém atividade em Vila Nogueira de Azeitão. Paulo Ferreira, o atual proprietário da Casa das Tortas, na Praça da República, não desmerecendo a feição arquitetónica daquele espaço, renovou-o, associou-lhe uma nova oferta gastronómica, com substancial enfoque nos moscatéis da região. Neste contexto, querendo marcar a identidade doceira da região, Paulo, lançou o repto ao doceiro que há duas décadas reinventa a identidade dos acepipes gulosos da Península de Setúbal.

A Nuno Gil, da Confeitaria São Julião, pareceu-lhe natural associar dois produtos do território ao pastel que engendrou para a Casa das Tortas. O nome surgiu por natural associação ao lugar: Pastel de Azeitão. Nos ingredientes, vamos encontrar aquilo que a natureza da região dá com prodigalidade, os vinhos, no caso vertente o licoroso Moscatel e em concreto o Alambre, de José Maria da Fonseca; e os queijos, mais especificamente o requeijão de textura macia e convidativa à dentada.

Palmela: De mãos empreendedoras nasceram os pastéis de choco, de maçã riscadinha e de bolota
Palmela: De mãos empreendedoras nasceram os pastéis de choco, de maçã riscadinha e de bolota
Ver artigo

Para Nuno Gil criador do Pastel de Azeitão “foi mais um desafio que aceitei com muito gosto. Pareceu-me natural associar dois produtos tão bem tratados na região a um novo doce. No processo de criação segui a lógica de todos os meus doces anteriores, como o Pastel de Choco, o de Maçã Riscadinha ou o de Bolota. Identifiquei os produtos que representam o lugar e, a partir deles ´construi` o doce”.

pastel de azeitão
Uma nova fornada de Pastéis de Azeitão. créditos: @Confeitaria São Julião

Na apresentação a Tarte de Azeitão, à prova desde dezembro de 2018, não descura face às congéneres com a chancela da Confeitaria São Julião. “O Paulo queria uma imagem elegante. Fomos buscar, tal como para o pastel, uma iconografia associada a Azeitão, nas cores, o azul e o amarelo em associação a uma das artes locais, a azulejaria”.

Embalagem que, para além da versão para o pastel individual, conta com uma congénere que acolhe quatro pastéis.

Recorde-se que da arte doceira de Nuno Gil, leva mais de 20 anos de labor. Deste empreendedor, sediado no concelho de Palmela, contamos uma mão bem cheia de pitéus gulosos inspirados nos produtos locais, do Moscatel, ao queijo, do mel à ginja, ao feijão e a uma especialidade ganhadora, a Tarte Santiago.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Lifestyle diariamente no seu email.

Notificações

Os temas mais inspiradores e atuais estão nas notificações do SAPO Lifestyle.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.